TV e som podem faltar no Natal

O presidente da Associação Nacional de Produtos Eletroeletrônicos (Eletros), Paulo Saab, teme que possa haver problemas na produção do setor nos próximos meses em função do aumento do consumo e da demora (de até mais de 90 dias) ou até mesmo da impossibilidade dos fornecedores internacionais de atenderam a demanda da indústria nacional.Segundo Saab, a preocupação é consistente, já que há um aumento da demanda mundial, sobrecarregando os fornecedores, que podem não ter condições de atender a todos os pedidos. "Pode haver falta de componentes que permitam à indústria acabar os produtos e oferecê-los ao consumidor", explica. Produção maior fica comprometida No 1° semestre do ano, as vendas do setor no País cresceram 10,86% em relação ao 1° semestre do ano passado. O presidente da Eletros lembra que o 2° semestre seja responsável por até 60% das vendas do ano, levando-se em consideração o Natal, a principal data do ano para o comércio.As indústrias estão produzindo mais, tentando abastecer o mercado, mas ficam na dependência da importação de alguns para conseguirem superar a demanda. Se o crescimento das vendas continuarem no mesmo ritmo, o problema pode se agravar. Aumento de preços não está descartado Dentro do cenário mais negativo, Paulo Saab não descarta um aumento dos preços. "Tudo vai depender da oferta e da procura", diz, sem arriscar fazer uma previsão do valor dos reajustes. O setor mais afetado pela falta de componentes é a linha de imagem e som. Isso porque é o segmento que mais utiliza componentes importados.Mas há problemas menores na linha branca e em alguns portáteis. Segundo ele, as indústrias estão negociando e buscando contornar a situação, por isso fica difícil prever de quanto será a queda da oferta e se ela será significativa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.