finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Tyson Foods negocia compra de empresa de alimentos no Brasil

Maior processadora de aves do mundo está perto de levar o frigorífico Pena Branca, de São Paulo

Natalia Gómez e Agnaldo Brito, O Estadao de S.Paulo

13 de novembro de 2007 | 00h00

A Tyson Foods, gigante do setor de alimentos nos Estados Unidos, anunciou ontem que se prepara para chegar ao Brasil até o fim deste ano. A direção da companhia informou, durante uma conferência de imprensa, que assinou uma carta de intenções a partir da qual negocia a compra de um frigorífico de porte médio no Brasil. Segundo fontes de mercado, a negociação em andamento seria com a Pena Branca.A Pena Branca concentra o setor frangos em Jaguariúna e Amparo (SP) e abate cerca de 280 mil aves por dia, das quais 60% são exportadas. As atividades da Pena Branca na região Sul foram vendidas em 2002 para o grupo americano OSI, que hoje utiliza apenas a marca Pena Branca. Há um ano, a companhia norte-americana tentou uma associação com a paranaense Globoaves.Segundo o vice-presidente da do grupo e presidente da Tyson Foods International, os investimentos fora dos EUA fazem parte de uma estratégia de crescimento das vendas dos atuais US$ 3 bilhões para US$ 5 bilhões até 2010.A entrada da Tyson Foods no mercado brasileiro foi uma das razões centrais para a Sadia tentar adquirir a Perdigão, em 2006. A oferta de R$ 3,88 bilhões foi rechaçada pela rival que agora assumirá a liderança do setor no Brasil após a aquisição da Eleva.Para Pedro Galdi, analista do ABN Amro Real Corretora, independente de qual companhia seja o acordo, a entrada da Tyson Foods mostra a importância do mercado brasileiro como base produtiva para atender o mercado mundial. A produção de frango nos Estados Unidos tem enfrentado um problema de custo que tem se agravado nos últimos anos. A demanda norte-americana por etanol, produzido lá a partir do milho, elevou a concorrência pelo grão e, em conseqüência, os preços.O preço médio histórico do milho era de US$ 82,60 a tonelada. No período de um ano e meio, o preço do grão subiu para US$ 153 a tonelada. "Não tenha dúvida e que a disputa do setor de aves nos Estados Unidos por milho - que agora é desviado para a produção de etanol - é a razão básica para a transferência de empresas de lá para cá", afirma Rafael Weber, analista de alimentos da Geração Futuro.MAIS BAIXOEle cita um estudo de 2005, elaborado pelo Instituto de Estudos do Comércio e Negociações Internacionais (Icone), que demonstra a diferença de custo de produção em três mercados. Em centavos de dólar, o custo no Brasil é o maior baixo: US$ 0,43 ante os US$ 0,55, nos Estados Unidos, e US$ 0,60 na Tailândia. "Essa diferença deve ter se acentuada nos últimos meses com o uso de parte da produção de milho para a produção de etanol", afirma.Weber diz que a entrada da Tyson Foods no Brasil ajudará o País a abrir mercados fechados, como o japonês e da União Européia, para carne de suíno in natura, e o dos Estados Unidos e México, para carne de frango in natura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.