UBS alerta para mais prejuízos com ativos imobiliários

Em relatório, banco suíço afirma que condições econômicas e do mercado estão voláteis e desafiadoras

Danielle Chaves, da Agência Estado,

26 de maio de 2008 | 15h31

O banco suíço UBS alertou nesta segunda-feira, 26, que poderá ter mais prejuízos com bens imóveis fora dos Estados Unidos. O banco está tentando obter cerca de US$ 16 bilhões dos acionistas para reparar uma folha de pagamento danificada. Veja também:Entenda a crise nos Estados Unidos  Cronologia da crise financeira   Em um prospecto de 925 páginas, o UBS afirmou que as condições econômicas e do mercado estão voláteis e desafiadoras no segundo trimestre. "O UBS permanece cauteloso sobre a perspectiva para obtenção de dinheiro líquido no curto prazo", declarou o maior administrador de ativos do mundo. Na semana passada, o UBS informou que vai vender US$ 22 bilhões de ativos hipotecários subprime e Alt-A para a empresa de private equity BlackRock por US$ 15 bilhões, com o UBS fornecendo um empréstimo de US$ 11,25 bilhões no processo. No entanto, enquanto os problemas com o subprime diminuem, outros aumentam. A exposição do UBS a títulos "auction-rate", usados principalmente em financiamento municipal, aumentou para 11 bilhões de francos suíços (US$ 10,7 bilhões), contra 6 bilhões de francos durante o primeiro trimestre. O UBS também afirmou que as posições deficitárias em mercados imobiliários fora dos Estados Unidos "podem aumentar". Com isso, o UBS teve cerca de US$ 19,2 bilhões em baixas contábeis e perdas, dentro de um portfólio de US$ 82,6 bilhões de ativos ligados em maior parte ao mercado imobiliário norte-americano. O UBS já emitiu 13 bilhões de francos em bônus conversíveis para fundos soberanos de Cingapura e de um país do Oriente Médio cujo nome não foi divulgado. Agora, o banco está vendendo 16 bilhões de francos em ações para acionistas existentes, com um desconto de 31% em relação ao fechamento de quarta-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
UBSCrise nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.