UBS prevê preço do petróleo em US$ 156,00 por barril em 2012

Novo preço representa alta de 90% na comparação com a última estimativa feita pelo banco suíço

Patricia Lara, da Agência Estado,

15 de maio de 2008 | 15h46

O economista da área de petróleo do banco suíço UBS, Juan Stuart, realizou uma agressiva revisão para cima de suas estimativas para os preços do petróleo até 2012, quando o barril do West Texas Intermediated (WTI) será cotado a US$ 156,00 por barril. O novo preço representa um aumento de 90% em relação ao seu prognóstico anterior, de que o produto seria cotado a US$ 82,00 em 2012. Veja também: Preço do petróleo em alta  "Nesta década, a elevação dos preços de energia, aparentemente, teve um impacto muito menor sobre o crescimento, em relação a episódios anteriores", afirmou Stuart, em relatório ao qual a Agência Estado teve acesso. "O fator diferencial em relação aos choques do petróleo das décadas de 70 e 90 está sendo o vigor da demanda global, que tem sido simultaneamente o motivo por trás do preço do petróleo ter quintuplicado nesta década, assim como fonte da resiliência econômica em relação à energia mais cara." Em relação ao atual trimestre, o analista previu um preço de US$ 116,00 para o barril do petróleo WTI, uma alta de 41% ante a sua estimativa de US$ 82,00. Para o quarto trimestre de 2008, o preço foi revisado de US$ 83 para US$ 127 (+53%). O preço médio do WTI em 2008 deve ficar em US$ 115,00, um ajuste de 32% em relação ao prognóstico anterior de US$ 86,96 por barril.  Para 2009, Stuart elevou de US$ 78,00 para US$ 120,00, um aumento de 54%. Em relação a 2010, a previsão do analista foi elevada em 53%, de US$ 76 para US$ 116,50 por barril. Para 2011, o prognóstico passou de US$ 79,00 para US$ 137,00, um ajuste de 73%. O analista avalia que os preços da commodity só se normalizarão em 2013, quando ele prevê que o preço do WTI será de US$ 96. Mesmo assim, esse nível representa um aumento de 28% sobre a estimativa anterior do analista, que era de um preço a US$ 75 em 2013.

Tudo o que sabemos sobre:
PetróleoUBS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.