UBS tem lucro maior no 1o tri e vê entrada de capital

O banco suíço UBS pode ter deixado a crise financeira internacional para trás depois de registrar entrada de recursos em sua unidade de gestão de fortunas no primeiro trimestre, apesar das operações com banco de investimento encontrarem dificuldades para retomar força.

EMMA THOMASSON, REUTERS

26 de abril de 2011 | 08h23

A instituição encerrou o primeiro trimestre com lucro líquido de 1,8 bilhão de francos suíços, ante expectativa média do mercado de ganho de 1,74 bilhão de francos.

A entrada de 11,1 bilhões de francos suíços (12,6 bilhões de dólares), o maior fluxo desde o final de 2007 e acima do esperado, mostrou que a confiança dos clientes no banco está voltando, afirmou a instituição.

Clientes sacaram quase 400 bilhões de francos do segundo maior gestor de fortunas do mundo nos últimos anos, depois que o banco foi resgatado após registrar grandes baixas contábeis por ativos tóxicos e ser atingido por investigações nos Estados Unidos sobre evasão fiscal de norte-americanos.

O UBS informou que recebeu fortes entradas de capital na região Ásia-Pacífico e em mercados emergentes, bem como de clientes ultra-ricos. Mas a instituição informou que registrou saída de recursos na Europa, onde países estão perseguindo sonegadores que usam contas secretas na Suíça.

O analista Dirk Becker, do Vontobel, afirmou que o ponto mais positivo do resultado foi a entrada de recursos na divisão de gestão de fortunas. "Isso mostra que o UBS deixou a crise para trás, mesmo nesta divisão, onde a confiança dos clientes foi abalada."

O UBS espera entradas sustentadas de capital de agora em diante, afirmou o vice-presidente financeiro, John Cryan, em teleconferência com analistas.

A instituição teve lucro antes de impostos de 835 milhões de francos na divisão de banco de investimento, ante 100 milhões no trimestre anterior, apresentando bom desempenho em relação a seus pares em renda fixa e operações com ações.

Tudo o que sabemos sobre:
BANCOSUBSRESULTS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.