UBS vai cortar 5.500 empregos em área de banco de investimento

O UBS anunciou nesta terça-feira quevai cortar 5.500 empregos em uma das maiores reduções vistasaté agora na crise dos mercados financeiros. O UBS também informou que fechou um acordo preliminar com oadministrador de fundos norte-americano BlackRock para venderum portfólio de 15 bilhões de dólares em hipotecas de altorisco, no que o banco informou que é um sinal de recuperaçãodos empréstimos imobiliários nos Estados Unidos. As ações do UBS caíam 4 por cento uma vez que osinvestidores preocupam-se que a crise que afetou a geração delucro do UCS, como mostrado por uma drástica redução na entregade novos recursos por uma grande parte de seus clientesabastados. Os 5.500 cortes somam-se aos 1.500 já completados erepresentam uma redução de 18 por cento no quadro total defuncionários do grupo desde meados de 2007, segundo o UBS. O presidente do banco informou que o acordo da venda deativos para o BlackRock é um sinal de luz no fim do túnel nomercado de títulos vinculados a hipotecas de alto risco. "Vemos claramente que há investidores sofisticadosaparecendo nesse mercado e isso em si mesmo é um forte apoio",disse o presidente-executivo do UBS, Marcel Rohner, emteleconferência com jornalistas nesta terça-feira. O UBS alertou que as condições dos mercados financeirosainda são duras e evitou fazer previsões de resultados. Apesardisso, a instituição divulgou que não precisa levantar maiscapital além das atuais medidas que somam ao redor de 39bilhões de francos suíços. "O mesmo que vale para o UBS e para o todo o setor: o piorprovavelmente já passou", disseram analistas do banco Wegelin. O UBS divulgou um prejuízo de primeiro trimestre de 11,535bilhões de francos suíços (10,9 bilhões de dólares), poucomelhor que o que tinha anunciado em abril e abaixo da média deprevisões de analistas de prejuízo de 11,9 bilhões de dólares. Mas os fluxos líquidos de capital para os negócios deadministração de riquezas do banco somaram 5,6 bilhões defrancos no trimestre, uma acentuada redução e uma tendência queum analista descreveu como "alarmante".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.