Ucrânia quer mudanças em acordo de gás com a Rússia

Presidente quer negociar; estatal russa diz que 'declarações só poderiam aparecer em revista de quadrinhos'

Nathália Ferreira, da Agência Estado,

23 de janeiro de 2009 | 14h43

A Ucrânia quer reescrever o acordo de gás assinado com a Rússia que encerrou semanas de impasse que prejudicaram o abastecimento de gás a diversos países europeus, disse a presidência do país nesta sexta-feira, 23. "A Ucrânia está trabalhando em sugestões para mudanças" nos contratos assinados esta semana, disse o vice-chefe do governo do presidente Viktor Yushchenko, Oleksandr Shlapak. "Estamos planejando iniciar contato com a Rússia para negociações no máximo no verão (hemisfério norte)", acrescentou, descrevendo o acordo de gás como uma "rendição" da Ucrânia perante a Rússia. Mas o presidente-executivo da russa OAO Gazprom, Alexei Miller, desconsiderou a ideia de renegociar os contratos. "Tais declarações só poderiam aparecer em uma revista de história em quadrinhos ucraniana", disse ele, segundo a televisão estatal russa. O conflito de gás foi encerrado quando o primeiro-ministro da Ucrânia, Yulia Tymoshenko, e o premiê russo, Vladimir Putin, concordaram com um novo contrato para o fornecimento de gás para a Ucrânia e a passagem do gás para a Europa. Dentro do novo contrato, no primeiro trimestre de 2009, a Ucrânia irá pagar à Rússia US$ 360 por 1 mil metros cúbicos de gás natural e o preço irá mudar trimestralmente. O valor é o dobro dos US$ 179,50 que a Ucrânia pagou no ano passado, sob termos melhores do que os preços de mercado que os países europeus pagam pelo gás russo.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise do GásUcrâniaRússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.