UE anuncia plano de estímulo de € 300 bi

Objetivo é atrair investimentos em projetos de infraestrutura nos países da Europa

O Estado de S. Paulo

26 de novembro de 2014 | 21h54

ESTRASBURGO - O novo presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, apresentou nesta quarta-feira, 26, um plano, que pode passar de € 300 bilhões, com o objetivo de atrair fundos de pensão, seguradoras e outros grandes investidores para financiar projetos de infraestruturas entre países da Europa.

O plano para impulsionar o investimento no bloco é uma das prioridades de Juncker, que defendeu a ideia no Parlamento Europeu. “Este é o maior esforço na história da Europa para mobilizar o orçamento da União Europeia para gerar investimento adicional, e sem alterar as regras”, disse Juncker.

A proposta da Comissão é criar um novo Fundo Europeu de Investimentos Estratégicos. O fundo será apoiado por € 16 bilhões em garantias do Orçamento da União Europeia e € 5 bilhões do Banco Europeu de Investimento (BEI), que é a agência de crédito de longo prazo da UE. O fundo será alojado e gerido pelo BEI, mas suas operações devem ameaçar os ratings AAA de crédito do BEI, disseram autoridades.
 
A UE está esperando aumentar esses € 21 bilhões iniciais em 15 vezes, com dinheiro proveniente de grandes investidores, que têm alocado capital em ativos de baixo risco por causa das perspectivas de crescimento fraco da Europa. 

Passivos. Autoridades dizem que os investimentos oferecidos pelo fundo - projetos de infraestruturas de longa duração - estão em linha com os passivos de longo prazo dos fundos de pensões e companhias de seguros de vida, os tipos de investidores que os funcionários da UE estão esperando atrair.

Segundo autoridades, o plano vai criar de 1 milhão a 1,3 milhão de novos postos de trabalho ao longo dos próximos três anos e gerará € 307 bilhões em investimento adicional. 

"Investimento moderado é uma fraqueza gritante da economia europeia", disse Juncker, que assumiu o cargo de chefe do órgão executivo da União Europeia em 1.º de novembro.

“Enquanto o investimento está decolando nos Estados Unidos, a Europa está ficando para trás. Por quê? Porque os investidores não têm segurança, confiança e credibilidade”, disse Juncker.

Estratégia. Ressaltando a necessidade de manter os esforços nas reformas estruturais das economias mais maduras deixando para trás dívidas e déficits da crise financeira, o novo chefe executivo da UE disse ainda que seu plano seria a terceira etapa da estratégia para colocar os europeus de volta ao trabalho. “A Europa precisa de um pontapé inicial e hoje a Comissão está fazendo isso”, disse Juncker, ex-primeiro-ministro conservador de Luxemburgo, que assumiu o cargo este mês.

Na Alemanha, a chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou que apoia o plano de investimentos de € 300 bilhões proposto pelo presidente de Comissão Europeia, mas insistiu que os gastos adicionais devem ser direcionados para projetos para o futuro.

Durante discurso na Câmara baixa do Parlamento alemão, Merkel disse que parte do dinheiro, que deve incentivar o investimento em infraestrutura, precisa ser direcionado para a modernização das redes digitais e enfatizou a importância do fortalecimento do investimento privado.

Tudo o que sabemos sobre:
UEUnião Europeiainvestimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.