UE aprova € 2,5 bi para Grécia, mas descarta qualquer empréstimo adicional

O grupo está pressionando que o país cubra qualquer potencial de déficit nas contas públicas sem ajuda dos credores internacionais

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

26 de julho de 2013 | 12h52

PARIS - O grupo de trabalho do Eurogrupo aprovou o desembolso de um parcela de ajuda no valor de 2,5 bilhões de euros para a Grécia, afirmou o porta-voz da Comissão Europeu Simon O'Connor.

Em uma mensagem no Twitter, O'Connor afirmou também que "1,5 bilhão de euros do programa de mercados de valores mobiliários (SMP, em inglês) serão desembolsados mediante a implementação total dos procedimentos nacionais na segunda-feira".

O rendimento dos bônus gregos detidos pela carteira do programa do Banco Central Europeu (BCE) e o acumulado para os bancos centrais nacionais estavam previstos para serem repassados à Grécia.

Um fonte da zona do euro disse que a União Europeia, liderada pela Alemanha, não está querendo garantir um terceiro empréstimo para a Grécia e ambos estão pressionando para que o país cubra qualquer potencial déficit de financiamento sem ajuda de seus credores internacionais.

Segundo a fonte, o déficit de financiamento para um período de dois anos entre 2013 e 2014, que está estimado pela Comissão em cerca de 3,6 bilhões de euros, pode ser coberto por fundos remanescentes do processo de recapitalização dos bancos da Grécia. "Não há razão para que a discussão sobre um terceiro empréstimo deva começar agora, tendo em vista que a questão da Grécia está definida até o fim de 2014", afirmou.

Ele acrescentou que os ministros das Finanças do Eurogrupo já tinham sido informados sobre a ideia de usar fundos de recapitalização bancária. No entanto, há apenas cerca de 3,3 bilhões de euros desses fundos, e o FMI insiste, em particular, que o déficit de financiamento grego já ultrapassa 4,5 bilhões de euros e tende a subir. "A Comissão mantém sua próprias projeções e se há um diferença, não será algo que a Grécia não poderá cobrir com medidas adicionais", afirmou a fonte.

Ele também insistiu que a Alemanha não relaxará sua posição após as eleições nacionais, previstas para setembro, no país, especialmente sobre a Grécia. "Aqueles que pensam que a Alemanha começará imediatamente uma discussão sobre o déficit de financiamento da Grécia em 2015 e 2016 e a possibilidade de um terceiro empréstimo estão enganados", destacou a fonte.

"A Alemanha manterá sua posição de que a Grécia deve cumprir totalmente todo as exigências a fim de receber mais parcelas do resgate aprovado e todas as outras opções serão examinadas primeiro. Um terceiro empréstimo será o último recurso", acrescentou.

A fonte comentou que a "tendência agora é de que a Grécia deve adotar medidas adicionais no período de 2015 e 2016 para reduzir o déficit de financiamento". Segundo ele, "mais medidas, incluindo a área fiscal, não devem ser descartadas". Fonte: Market News International.

Tudo o que sabemos sobre:
grecia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.