UE aprova pacote de estímulo, mas adia integração bancária

De acordo com documento preliminar, os líderes da região reunidos em uma cúpula em Bruxelas deverão se comprometer com um pacto de crescimento no valor de 120 bilhões de euros

Danielle Chaves, da Agência Estado,

28 de junho de 2012 | 14h29

 

BRUXELAS - Os líderes da União Europeia reunidos em uma cúpula em Bruxelas deverão se comprometer com um pacto de crescimento no valor de 120 bilhões de euros (US$ 149,8 bilhões), que incluirá um aumento de 10 bilhões de euros no capital do Banco Europeu de Investimento (BEI) e a finalização de um plano para fortalecer a zona do euro até o fim do ano, segundo um documento preliminar com as conclusões da reunião.

O aumento de capital do BEI permitirá à instituição aumentar sua capacidade de empréstimo em 60 bilhões de euros. "É crucial aumentar o financiamento para a economia. Estão sendo mobilizados 120 bilhões de euros (equivalentes a cerca de 1% da renda líquida geral da UE) para medidas de aceleração do crescimento", diz o documento. O acordo sobre um pacto para o crescimento representaria uma vitória política para o presidente da França, François Hollande, que fez pressão sobre o tema durante sua campanha eleitoral.

Entretanto, o pacote parece fornecer pouco dinheiro realmente novo para a economia e depende de ideais que estão circulando há algum tempo sobre como empregar melhor os recursos do BEI e os fundos contidos nos orçamento da UE. Muitas autoridades do bloco têm dito que não esperam que essas políticas produzam uma mudança significativa nas projeções para a economia da região.

Integração

O documento prévio também afirma que o presidente do Conselho Europeu, Herman van Rompuy, será solicitado a apresentar um novo relatório em outubro com ideias para aprofundar a integração econômica e monetária na zona do euro. Rompuy apresentou um estudo esta semana, antes da cúpula, mas algumas propostas encontraram forte resistência.

Os líderes da UE também devem chegar a um acordo para adiar até o fim do ano a proposta para a criação de uma união bancária no bloco - incluindo um esquema de garantias de depósito conjuntas e uma estrutura para liquidar instituições problemáticas. Entretanto, em uma concessão para alguns países da UE que não estão na zona do euro, o texto diz que deve haver espaço para que esses Estados tenham uma participação diferenciada.

O documento prévio mostra ainda que houve um acordo para estabelecer a sede da agência da UE sobre políticas de patentes em Paris, com divisões em Londres e Munique. A discussão sobre a localização da sede estava atravancando o projeto. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.