bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

UE aprova plano de recapitalização para Alitalia

A Comissão da União Européia (UE) aprovou um programa de recapitalização de 1,43 bilhão de euros (US$ 1,36 bilhão) para a companhia área italiana Alitalia, em uma ação que suscita questões sobre a estratégia da Comissão de frear a ajuda dos governos às operadoras domésticas. A proibição da Comissão no ano passado de ajuda dos governos às companhias aéreas européias contribuiu para a concordata da belga Sabena e um pacote de resgate para a irlandesa Aer Lingus Group PLC também foi rejeitado pela UE.No entanto, a Comissão disse que o plano de recuperação da Alitalia foi diferente devido à presença de investidores estrangeiros. Bancos tais como Merrill Lynch & Co. Inc. e Credit Suisse Group estão colocando cerca de um terço no novo financiamento, como o governo italiano responsável por dois terços. Segundo as normas da UE, os empréstimos e investimentos dos Estados são permitidos se concedidos por empresa privada operando segundo as condições de mercado. Caso os bancos privados desistam da decisão, a Comissão poderá reexaminar a questão.Além disso, a Comissão em nota afirmou estar impressionada com o comprometimento da Alitalia em reduzir as rotas, os aviões, cortar empregos e vender ativos não estratégicos. A Europa possui mais de doze companhias aéreas domésticas e planeja a consolidação da indústria. Os analistas concordam que existe apenas espaço para três ou quatro operadoras principais, juntamente com as companhias de baixas tarifas.Segundo as normas da UE, as companhias aéreas domésticas podem receber apenas uma injeção de fundos dos contribuintes. Em 1997, a Comissão já havia autorizado um pacote de 1,42 bilhão de euros para a Alitalia. Com seu plano de reestruturação e uma queda nos preços de combustível, a Alitalia conseguiu reduzir seu prejuízo antes de impostos, no primeiro trimestre, pela metade para 103 milhões de euros (US$ 98,5 milhões). Em 2001, a empresa teve um prejuízo de 907 milhões de euros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.