UE busca resposta coordenada para crise financeira

Alemanha, França, Itália e Reino Unido se reúnem para discutir as reformas do sistema financeiro

Efe,

04 Outubro 2008 | 07h01

Os líderes dos quatro países europeus do G8 (Alemanha, França, Itália e Reino Unido) discutirão neste sábado, 4, em Paris uma maneira de conseguir uma coordenação européia de urgência contra a crise e uma posição comum às vésperas do debate internacional sobre as reformas do sistema financeiro.   Veja também: Bush sanciona lei que prevê US$ 700 bilhões contra a crise Aprovação do pacote protege o povo americano, diz Paulson Aprovação demonstra compromisso do governo, diz Bernanke Recurso extra reduz impopularidade de plano, diz economista Crise afetará neoliberalismo, dizem analistas Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise Entenda o pacote anticrise que passou no Senado dos EUA A cronologia da crise financeira  Veja como a crise econômica já afetou o Brasil Entenda a crise nos EUA    O presidente francês, Nicolas Sarkozy, recebe no Palácio do Eliseu a partir das 16h30 locais (11h30 de Brasília) os chefes do Governo da Alemanha, Angela Merkel, Itália, Silvio Berlusconi, e Reino Unido, Gordon Brown, para uma pequena cúpula européia.   Sarkozy, que este semestre exerce a Presidência da União Européia (UE), afirmou que o encontro deste sábado servirá para que os europeus cheguem a um consenso para a reunião habitual dos ministros de Finanças dos Estados do G7 na próxima semana em Washington.   Também participam do encontro o presidente da Comissão Européia, José Manuel Durão Barroso, e os presidentes do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet, e do Eurogrupo, Jean-Claude Juncker.   Os preparativos para a reunião de Paris foram marcados pela divergência entre os participantes, especialmente sobre a idéia de um fundo europeu para salvar o setor bancário de cerca de 300 bilhões de euros, que foi rapidamente desprezada diante da oposição, sobretudo, de Merkel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.