UE defende ação em nível nacional e rejeita fundo conjunto

Ministros de Finanças do bloco reiteram determinação de garantir a estabilidade e a solidez do sistema bancário

Marcílio Souza, da Agência Estado,

07 Outubro 2008 | 11h25

Os ministros de Finanças da União Européia concordaram nesta terça-feira, 7, com um conjunto de princípios que irá guiar possíveis programas de ajuda para bancos e seguradoras, mas não chegaram a propor um fundo de suporte ao estilo norte-americano com um alcance para todo o bloco. "Reiteramos nossa determinação de garantir a estabilidade e a solidez de nosso sistema bancário", disse a ministra de Finanças da França, Christine Lagarde, em entrevista coletiva após a reunião. "Não iremos tolerar uma situação como a do Lehman", afirmou ela, referindo-se ao pedido de concordata do banco de investimentos norte-americano.   Veja também:  Governo vai disponibilizar reservas para bancos, diz Mantega Entenda o pacote anticrise que passou no Senado dos EUA A cronologia da crise financeira  Veja como a crise econômica já afetou o Brasil Entenda a crise nos EUA      Os ministros concordaram com o fato de que os países precisam atuar em "nível nacional" para melhorar suas grandes instituições financeiras, uma decisão que alguns ministros argumentaram como insuficiente. Segundo estes, o sistema financeiro da UE continuará vulnerável se um grande credor com operações entre fronteiras apresentar problemas.   França e Holanda sugeriram a criação de um fundo de ajuda amplo, com cada país contribuindo com uma quantia baseada em seu PIB. Mas alguns países, em particular a Alemanha, discordaram, afirmando que não deveriam pagar pelos erros de bancos estrangeiros.   O ministro de Finanças alemão, Peer Steinbrueck, que não compareceu ao encontros dos ministros nesta terça em Luxemburgo, disse em Berlim que a primeira-ministra Angela Merkel rejeitou a idéia de um fundo como o de US$ 700 bilhões proposto pelos EUA para comprar ativos podres dos bancos.   No lugar disso, os ministros concordaram com o fato de que deveriam coordenar seu apoio às instituições com problemas, caso necessário. Eles também afirmaram que o financiamento estatal deveria ser temporário e evitar prejudicar os concorrentes do banco que estaria recebendo a ajuda. Para o primeiro-ministro de Luxemburgo, que presidiu encontro, a UE quer evitar uma situação na qual a falência de um grande banco contamine os demais.   Os ministros também decidiram que os governos nacionais poderão substituir os executivos de bancos com problemas e restringir o pagamento de pacotes volumosos para os executivos que deixem a instituição.   Os ministros também tentaram acalmar os investidores mais assustados, elevando as garantias mínimas sobre os depósitos dos atuais 20 mil euros para 50 mil euros, por pelo menos um ano. O comunicado final dos ministros disse que em alguns países as garantias chegarão a 100 mil euros. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
crise dos EUA UE crise financeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.