UE diz que escândalos de corrupção abalam confiança no Brasil

Comissária do bloco indicou que vai propor ao Mercosul um acordo de transparência sobre licitações públicas

Jamil Chade, correspondente de O Estado de S.Paulo

18 Dezembro 2014 | 17h31

A União Europeia alerta que os escândalos de corrupção envolvendo estatais e empresas no Brasil afetam a "confiança" dos mercados no País e indica que vai propor ao Mercosul um acordo de transparência sobre licitações públicas, abrindo mercados e colocando regras de participação de empresas em compras governamentais.

O alerta é da nova comissária de Comércio da UE, Cecilia Malmstrom, que acaba de assumir em novembro seu cargo de chefe do bloco europeu para temas comerciais.

"Escândalos de corrupção não são bons para a confiança", declarou, ao ser questionada pelo Estado sobre o impacto dos casos no Brasil no cenário internacional. "A corrupção não é ruim apenas para a economia. Mas ela também causa dano para a confiança, legitimidade ou relação dos cidadãos e de outros sobre o país", alertou, indicando que essa é uma realidade que não vale apenas para o Brasil.

"A corrução é uma doença", insistiu a comissária que, em seu cargo anterior foi responsável por desenhar o primeiro informe europeu de combate à corrupção na condição de espécie de super-ministra do Interior. Ela, porém, apostou na "vontade política" do governo brasileiro em lidar com os escândalos.

Acordo. Maior fonte de investimentos no Brasil, a Europa está há anos de olho no mercado de obras públicas no País. Em 2011, no início das obras para a Copa do Mundo, a UE estimava que o mercado brasileiro de compras governamentais poderia movimentar mais de 133 bilhões de euros por ano, 13% do PIB nacional. O volume seria superior aos mercados da Argentina e Índia juntos.

Para um eventual acordo com o Mercosul, a UE deixa claro que vai querer adicionar um capítulo específico sobre compras governamentais, dando acesso privilegiado às empresas europeias ao processos de licitações públicas no Brasil.

"Esse vai ser um dos pontos importantes e certamente fará parte do nosso mandato", declarou Malmstrom.

Um acordo, porém, exigiria maior transparência por parte das autoridades sobre os critérios para conceder contratos. No Brasil, porém, duas empresas europeias - Siemens e Alstom - são apontadas como suspeitas de terem pago propinas para ganhar contratos públicos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.