UE está perto de acordo sobre supervisão financeira

Os países da União Europeia estão perto de um acordo sobre uma nova estrutura regulatória para os mercados financeiros do bloco, informaram dois ministros das Finanças da região. Os ministros das Finanças da UE devem negociar um plano para dois novos grupos de supervisão durante o encontro mensal regular, que acontece hoje. Um dos grupos de supervisão avaliaria os riscos mais amplos à estabilidade, enquanto o outro se concentraria em três áreas: bancos, títulos e seguros.

NATHÁLIA FERREIRA, Agencia Estado

02 de dezembro de 2009 | 10h56

O Reino Unido está preocupado que esse plano pode dar a outros países da UE influência sobre o centro financeiro de Londres. Autoridades britânicas disseram que precisam de garantias de que os grupos regulatórios planejados terão apenas poderes limitados. O ministro das Finanças britânico, Alistair Darling, detalhou "linhas vermelhas" antes das negociações dos ministros - limites sobre que tipo de supervisão pan-europeia o Reino Unido aceitará.

Mas outros ministros da UE afirmam que um compromisso é possível. O ministro das Finanças da Suécia, Anders Borg, que comanda o encontro de hoje, disse que os ministros "estão mais perto de um acordo". A Suécia detém atualmente a presidência rotativa da UE e trabalha para fechar um acordo sobre o plano de supervisão entre os 27 países-membros do bloco.

"Há muitas linhas vermelhas em discussões quando você as começa", disse Borg a jornalistas ao se dirigir à reunião. "Obviamente, esta será uma reunião longa e complicada. Mas, por outro lado, será muito vergonhoso se tivermos tido uma crise desta dimensão e não formos capazes de tomar uma decisão." O ministro das Finanças de Luxemburgo, Luc Frieden, disse que acredita que os ministros estão "muito perto de um acordo", acrescentando que as propostas feitas pelo governo sueco devem levar a um acordo na reunião dos ministros. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
UEsupervisão financeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.