UE libera importação de carne de 106 fazendas do Brasil

Medida suspende parcialmente o embargo do bloco europeu à exportação de carne brasileira

BBC Brasil,

27 de fevereiro de 2008 | 12h05

A União Européia voltou a permitir importações de carne de 106 fazendas brasileiras nesta quarta-feira, 27, informou a porta-voz européia de Saúde e Proteção ao Consumidor da Comissão, Nina Papadoulaki. "As autoridades brasileiras enviaram à Comissão (Européia, órgão Executivo da UE) uma lista provisória de 106 fazendas, com os correspondentes relatórios das auditorias, que garantem que elas cumprem todos os requisitos para importação de carne", disse a porta-voz. Veja também: UE reduz ainda mais lista de fazendas para exportar carne  Com a nova lista aprovada, o Brasil poderá voltar imediatamente a exportar à UE carne desossada e maturada produzida nessas fazendas. No entanto, a decisão não muda o rumo da missão de veterinários europeus que está no Brasil desde a segunda-feira passada, inspecionando os sistemas de controle sanitário de uma amostra de 30 estabelecimentos escolhidos entre os listados.  Segundo Papadoulaki, novas fazendas poderão ser incluídas na lista com base nos resultados das inspeções européias, programadas para terminar no dia 14 de março.  Proibição A liberação de 106 fazendas acontece pouco depois da entrega à Comissão Européia (o órgão executivo da União Européia), na última sexta-feira, de uma lista de fazendas que estariam aptas para exportar carne para o bloco, preparada pelas autoridades brasileiras. Esta lista tinha 150 fazendas, mas os técnicos europeus encontraram inconsistências nas informações sobre as propriedades. Diante das deficiências, os europeus e técnicos do Ministério da Agricultura decidiram, de comum acordo, excluir outras propriedades da lista de fazendas que poderão ser visitadas pelos europeus nos próximos dias. Com isso, a lista ficou ainda menor, chegando às 106 fazendas. Apesar dos cortes constantes nas listas, técnicos do ministério ressaltam a importância da visita da missão para a retomada das vendas de carne bovina in natura para o bloco. "Não interessa o número de fazendas que estarão na lista ou que serão inspecionadas", afirmou uma fonte do governo. "O importante é reabrir o mercado, o que depende da apresentação de dados confiáveis", completou um desses técnicos. A polêmica  A Comissão Européia suspendeu no final de janeiro a importação de carne do Brasil. A decisão foi tomada depois de uma disputa em relação ao número de fazendas que o Brasil teria direito de certificar. O problema começou no final do ano passado, quando a União Européia anunciou que estava impondo novos limites às exportações brasileiras por questões sanitárias. O governo brasileiro passou então a verificar cada uma das fazendas e, pelos critérios exigidos pelos europeus, certificou mais de 2,6 mil propriedades. Mas os europeus já haviam antecipado que, pelas novas normas, dariam o sinal verde a apenas 300 fazendas.  O governo brasileiro avaliou, no entanto, que se todas as fazendas cumprem os requisitos, não caberia ao Ministério da Agricultura selecionar apenas 3% delas. Para resolver o impasse, a Comissão Européia impôs uma visita de técnicos europeus às fazendas brasileiras para avaliar se as fazendas brasileiras seguem os padrões de qualidade exigidos pelo bloco para a exportação de carne. A missão, que faz parte do Departamento de Alimentação e Veterinária (FVO, na sigla em inglês), chegou ao Brasil no dia 25, segunda-feira passada.

Tudo o que sabemos sobre:
CarneUnião Européia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.