UE não prestou atenção à crise econômica na Grécia

Os ministérios da Fazenda europeus não prestaram atenção suficiente à crise econômica na Grécia, afirmou Jean-Claude Juncker, presidente do Eurogrupo, neste sábado. "Isto foi um erro grave", completou.

DANIEL COOKE, Agencia Estado

13 de fevereiro de 2010 | 14h44

Juncker também explicou ao jornal alemão Sueddeutsche Zeitung que se a Grécia saísse da zona do euro as consequências seriam "incontroláveis", e prometeu que vai fazer todo o esforço para garantir que o país reduza seu déficit.

Juncker, que é também primeiro-ministro de Luxemburgo, garantiu que daqui em diante o Eurogrupo vai monitorar o desempenho dos seus membros "com mais frequência e com mais severidade".

"Não vamos deixar os gregos sozinhos. Vamos perguntar constantemente em que estágio das reformas eles estão," prometeu.

"Uma zona monetária não sobrevive por muito tempo se houver grandes diferenças no desempenho das suas economias nacionais," acrescentou.

"A lição mais importante dessa crise é que precisamos supervisionar políticas econômicas de uma forma mais profunda e ampla, incluindo a detecção e o combate de desequilíbrios em seus estágios iniciais," completou o comissário de assuntos econômicos Olli Rehn. As informações são da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
Grécia, crise, UE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.