UE pede a Índia que abra seu mercado aos produtos europeus

A União Européia (UE) pediu neste domingo à Índia para se preparar para uma maior abertura de seu mercado aos bens industriais do exterior, como contrapartida a um acordo agrícola nas negociações da Rodada de Doha, dentro da OrganizaçãoMundial do Comércio (OMC)."Aceitamos que Doha é uma rodada de desenvolvimento, mas os países em desenvolvimento deverão fazer contribuições para o êxito das negociações. Terão que cortar impostos alfandegários em produtos industriais", afirmou o diretor de Comércio da Comissão Européia, David O´Sullivan. A Rodada de Doha, iniciada em 2001 e que se pretendia concluir no final de 2006, procura aprofundar a liberalização comercial nas áreas de agricultura, indústria e serviços e que seus principaisbeneficiados sejam os países em desenvolvimento. No entanto, as negociações ficaram estagnadas em julho do ano passado, quando a UE, os Estados Unidos, o Brasil, a Índia, o Japão e a Austrália foram incapazes de chegar a um acordo sobre a redução das subvenções à agricultura e das tarifas agrícolas e industriais. "No final, na Organização Mundial do Comércio tudo é uma transação", disse O´Sullivan em declarações colhidas pela agência indiana "PTI". "Estamos - acrescentou - perto de um acordo com os EUA que poderia levar a cortes dos subsídios agrícolas". As declarações de O´Sullivan acontecem cinco dias depois da visita à Índia do secretário americano de Comércio, Carlos Gutiérrez, que pediu ao país um "esforço" para conseguir "avanços reais" nas negociações de Doha. "Nós trabalharemos para que o processo seja bem-sucedido. Mas é preciso fazê-lo rapidamente e demonstrar que existem avanços reais", recalcou Gutiérrez. O secretário americano afirmou que terminar com sucesso a Rodada de Doha é a forma mais prática de "tirar da pobreza 500 milhões de pessoas".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.