UE pede que EUA agarrem chance de acordo sobre Doha

A União Européia instigou nesta sexta-feira o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, e o novo Congresso norte-americano, com maioria democrata, a mostrarem liderança para uma retomada das negociações da Rodada de Doha para liberalização comercial. Para a UE, este é o momento de fazer acordos, mas existe uma exigência de oferta "genuína e séria" sobre redução dos subsídios agrícolas dos EUA, que precisa ser trazida à mesa de negociação, segundo o porta-voz do bloco europeu. O anúncio foi feito antes da visita do presidente da Comissão Européia, José Manuel Barroso, e do comissário de comércio europeu, Peter Mandelson, a Washington, marcada para a próxima semana, quando eles devem conversar com o presidente norte-americano. "Nossa argumentação para ele será de que esse é um momento muito importante que deve ser agarrado", disse o porta-voz de Mandelson, Peter Power, a jornalistas. "Uma liderança verdadeira deveria ser mostrada... há questões importantes que estão na mesa." Power afirmou que apesar de demonstrarem uma retórica protecionista durante as eleições dos EUA em novembro, os democratas, agora dominando o Congresso, seriam "em sua maioria multilateralistas". "Os democratas têm uma oportunidade de mostrar liderança", ele acrescentou. Angela Merkel, chanceler alemã e atual presidente da UE, disse que as conversas com Bush na quinta-feira abriram "uma janela de oportunidade" para alcançar um acordo de comércio global rapidamente. As negociações de cinco anos da Rodada de Doha sobre subsídios e barreiras tarifárias foram suspensas em julho, depois que os principais países não quiseram ceder em questões sensíveis, como pedidos para desmantelar a proteção agrícola.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.