UE pede reunião com Brasil

O comissário europeu de comércio, Pascal Lamy, pediu uma reunião com o ministro brasileiro das relações exteriores, Celso Amorim, em Montreal (Canadá), aproveitando o encontro informal de representantes de 26 países membros da Organização Mundial do Comércio (OMC) para tentar desbloquear as negociações multilateriais do Ciclo de Doha. Lamy e Amorim tomarão café da manhã juntos na quarta-feira, dia 30 de julho, informam fontes européias. Apesar do motivo do encontro não ter sido revelado, acredita-se que Lamy deverá aproveitar a oportunidade para adiantar a agenda da reunião ministerial proposta pela União Européia (UE) ao Mercosul para fins de agosto na tentativa de impulsionar as negociações bi-regionais. A oferta da Comissão Européia foi anunciada, 10 de julho, pelo principal negociador europeu, Karl Falkenberg, aos quatro embaixadores do Mercosul, na ocasião da entrega da oferta comunitária de compras governamentais. Oferta não entregue pelo Mercosul, por reticências brasileira. Três dias depois, houve de maneira informal conversas de altos funcionários comunitários, ligados diretamente a Lamy, com diplomatas brasileiros, na ocasião em que o ministro brasileiro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, esteve com Lamy em Bruxelas para, além de tratar sobre alguns temas comerciais Brasil-UE, saber como a reforma da Política Agrícola Comum (PAC) pode ser traduzida em efeitos práticos para o País. Os europeus deixaram claro para o Brasil que desta reunião de fim de agosto poderá sair um compromisso de uma oferta agrícola ampliada para o Mercosul. A sondagem foi reiterada em três ocasiões, todas reportadas a Brasília, de onde deve sair a decisão do lado brasileiro, levando em consideração também os pareceres das representações brasileiras de Bruxelas, sede administrativa da União Européia, e Genebra, sede da OMC.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.