UE pode levantar bloqueio à carne argentina

A União Européia decide nesta terça-feira se retoma as importações de carne fresca da Argentina, suspensas desde maio por conta da reaparição da febre aftosa no país. Se o embargo for levantado, a Argentina pode vender US$ 500 milhões ao ano em carnes para a Europa. De acordo com o diário La Nación, o principal responsável da UE para a área sanitária, David Byrne, já teria se manifestado em favor de liberar as importações, ainda que de forma parcial.Byrne já se reuniu com o presidente do Senasa (Serviço Nacional de Sanidade e Qualidade Agroalimentar) argentino, Bernardo Cané, que, segundo o diário, disse que "avaliava positivamente" os avanços sanitários contra a doença. A posição da União Européia será divulgada na reunião do Comitê Veterinário Europeu. Se, de fato, a resolução beneficiar a Argentina, as exportações serão retomadas já em fevereiro.A direção da Senasa informou que os serviços sanitários de França, Grécia, Países Baixos e Reino Unido não demonstraram qualquer inconveniente em aceitar a Argentina como fornecedora de carne. Apesar do otimismo argentino, um porta-voz da União Européia informou que o embargo pode ser levantado parcialmente, mas não especificou quais áreas da Argentina seriam beneficiadas. Cané levou aos europeus o resultado de análises sorológicas em 654 estabelecimentos de diversas regiões do país. O plano de erradicação foi definido em abril de 2001, e os técnicos consideram que a epidemia já foi superada. As exportações de carne da Argentina caíram fortemente desde março de 2001. Naquele mês, recuaram 50,3% sobre o mesmo período do ano anterior. Em abril, a queda foi de 74%; maio, de 65,5%; junho, 76,7%; julho, 70%; e agosto, 70%.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.