UE propõe pacote de estímulo de 200 bilhões de euros

Plano inclui cortes de impostos e recursos para setores como o automotivo e ainda tem de ser aprovado

Reuters e Agência Estado,

26 de novembro de 2008 | 11h10

A União Européia (UE) propôs um pacote de gastos governamentais de 200 bilhões de euros (US$ 259 bilhões) para evitar uma crise econômica desastrosa, numa decisão que deve testar os limites para os déficits orçamentários da UE. A proposta da Comissão Européia, o braço executivo da UE, pede que os governos nacionais do bloco contribuam com 170 bilhões de euros. A Comissão e o Banco de Investimento Europeu, a agência de crédito de longo prazo da UE, deverão aportar o restante. Veja também:Fed anuncia novo resgate de US$ 800 bi nos EUADe olho nos sintomas da crise econômica  Lições de 29Como o mundo reage à crise  Dicionário da crise  Alguns dos estímulos fiscais incluem propostas que já foram anunciadas pelos governos da UE, disse o presidente da Comissão, José Manuel Barroso, em entrevista coletiva. Líderes do bloco vão estudar o plano em uma cúpula nos dias 11 e 12 de dezembro e Barroso enfatizou que os governos devem olhar com atenção a proposta. "Nossa atitude é de oferecer uma série de ferramentas", disse Barroso a jornalistas sobre o pacote de propostas equivalentes a 1,5 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) do bloco. O plano inclui cortes de impostos ao consumo e recursos para setores como o automotivo.  "As medidas que os Estados-membros estão introduzindo não precisam ser idênticas, mas precisam ser coordenadas." França, Grã-Bretanha e outros vários países da UE já adotaram esforços nacionais para impulsionar suas economias.  Segundo Barroso, não está claro se o esquema - mais ambicioso que o pacote de 1% do PIB que vinha sendo falado - será suficiente. Economistas manifestaram ceticismo sobre como o plano pode ser gerenciado.  A Alemanha já disse que resistiria a qualquer tentativa de coordenar cortes de impostos sobre vendas pelo bloco, enquanto países do leste europeu, como Polônia, não querem aumentar seus déficits porque precisam mostrar disciplina orçamentária para adotar o euro como moeda.  A chanceler alemã, Angela Merkel, alertou nesta quarta-feira contra uma competição entre os países para produzir grandes pacotes de estímulo para suas economias. "Nós não devemos entrar em uma corrida por bilhões", disse. A Comissão deixou espaço para que os governos nacionais excedam o limite da UE para os déficits orçamentários, de 3% do PIB, sem dar início a procedimentos especiais, desde que os déficits sejam temporários e apenas levemente superiores ao limite. "Perto (do limite) significa alguns décimos, não muitos décimos", disse o comissário de finanças da UE, Joaquin Almunia. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
crisepacoteUE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.