UE quer aplicar sanções contra produtos dos EUA

A União Européia (UE) está disposta a aplicar sanções de US$ 2,2 bilhões sobre produtos norte-americanos - de frutas a motos e barcos - depois de ganhar sinal verde da Organização Mundial do Comércio (OMC). A reação veio logo depois de o órgão multilateral ter anunciado ganho de causa à Europa e a outros sete países, entre eles o Brasil, na disputa do aço. O montante representa o volume de comércio transatlântico afetado pelas medidas norte-americanas, de acordo com dados de Bruxelas. A retaliação comercial só poderá acontecer, segundo as regras da OMC, caso os Estados Unidos não apelem da decisão ou não eliminem as medidas de salvaguardas em cinco dias. As sobretaxas norte-americanas de 8% a 30%, aplicadas em março do ano passado a 10 grupos de produtos siderúrgicos, foram impostas à maioria do aço proveniente de países estrangeiros, sob a justificativa de que as importações de terceiros mercados haviam aumentado demasiadamente, prejudicando a indústria doméstica. Entretanto, a conclusão da OMC não constatou as alegações de Washington. Os outros sete exportadores - Brasil, Japão, China, Suíça, Noruega, Nova Zelândia e Coréia - também ganham o direito de aplicar sanções, mas cada um deverá anunciar qual atitude tomará baseada na decisão da OMC.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.