finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

UE quer aumentar cooperação com a indústria do Brasil

A União Europeia (UE) pretende intensificar a sua cooperação industrial com o Brasil como parte de sua estratégia para aumentar os negócios e o comércio na América do Sul, disse o vice-presidente da Comissão Europeia para a Indústria e o Empreendedorismo, Antonio Tajani.

AE, Agencia Estado

11 de outubro de 2013 | 03h57

Tajani, que lidera uma comissão conjunta com o Brasil sobre investimento e competitividade, disse que a localização da maior economia da região foi importante para aumentar as oportunidades econômicas do bloco.

"Queremos aumentar o número de empresas europeias que trabalham no Brasil porque para nós a internacionalização é fundamental", afirmou Tajani. "O Brasil é muito importante porque a economia está crescendo", acrescentou.

Além disso, o vice-presidente da Comissão Europeia esteve no Brasília com um grupo de 11 embaixadores europeus e 73 líderes empresariais brasileiros e europeus para discutir questões políticas da Confederação Nacional das Indústrias no Brasil.

Segundo Tajani, o resultado desta reunião e de outra que será realizada em novembro em Bruxelas será apresentado durante uma cúpula de altos funcionários do governo brasileiro e da União Europeia prevista para fevereiro de 2014.

As negociações vêm à medida que o Brasil e seus parceiros da união aduaneira do Mercosul se esforçam para chegar a um comum acordo sobre uma proposta de livre comércio com a UE, que deve ser apresentada até o final do ano.

Na semana passada, o Brasil aprovou o conteúdo de uma proposta de liberalização comercial a ser feito pelo Brasil nas negociações envolvendo o Mercosul e a UE. Essa proposta está sendo apresentada aos parceiros do Brasil no Mercosul para aprovação.

Mas a UE se preocupa com algumas questões da região. Enquanto o Brasil se comprometeu a tentar negociar até 90% do seu volume de comércio com a UE caso o acordo seja aprovado, outros parceiros do Mercosul, como Argentina e Venezuela, são vistos como hesitantes em abrir mais o comércio exterior .

Para Tajani, se a maior cooperação industrial entre Brasil e a UE for concretizada, as oportunidades devem aumentar em uma série de setores, incluindo aeroespacial, turismo, automóveis, maquinaria, biotecnologia , agroindústria e energia alternativa. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
brasilueindústriacooperação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.