UE quer certificação para carne

O mal-estar diplomático entre Brasil e União Européia (UE) provocado pelo comércio de carne chega a um momento crucial. Bruxelas proporá que fazendas sejam certificadas para exportar, cabendo ao governo brasileiro fazer o controle. A iniciativa é considerada por especialistas na Europa um "cavalo-de-tróia? no Brasil, pois, na prática, ameaça a sobrevivência do Sistema Brasileiro de Identificação e Certificação de Origem Bovina e Bubalina (Sisbov).Amanhã, o comissário para Assuntos de Saúde Animal, Markus Kyprianou, apresentará seu projeto de limitação da venda brasileira aos demais comissários da UE. O debate será de caráter político e econômico, pois as restrições terão impacto sobre o preço da carne na Europa. No dia seguinte, o tema será votado no órgão formado por veterinários e técnicos da UE. Cada um dos 27 países é representado por um veterinário com direito a voto.Se a limitação for aprovada, o Brasil pode registrar queda na venda de carne aos europeus em 2008. O Ministério da Agricultura aposta que as novas restrições não serão tão severas. Um fator que pesa é a pressão dos importadores europeus sobre a Comissão Européia. Com o embargo, eles terão perdas. A idéia dos europeus é limitar o número de fazendas com autorização para exportar. As primeiras informações apontam que os europeus deixarão a cargo do governo federal a escolha das fazendas que poderão exportar. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.