UE recomenda filiação de 8 países do Leste

A Comissão da União Européia declarou que oito nações do Leste Europeu, e também Chipre e Malta, estão quase prontas para se tornarem membros da União Européia e recomendou que os novos Estados sejam convidados para se unirem à comunidade em 2004, no que seria a mais ambiciosa expansão do bloco. O relatório de 93 páginas da comissão disse que as negociações sobre a filiação com Malta, Chipre, Estônia, Hungria, Polônia, República Tcheca, Eslovênia, Letônia, Lituânia e Eslováquia se encaminharam bem o suficiente para justificar a incorporação desses países à UE até 2004. A Romênia e a Bulgária - dois países que também estão negociando sua entrada - provavelmente não estarão prontos até 2007, acrescentou o relatório, ano que os dois países determinaram para eles mesmos. Contudo, em um movimento que vai aborrecer a Turquia e os Estados Unidos, a Comissão da União Européia permaneceu silenciosa sobre quando deverá começar as conversações com Ankara, candidata à UE desde 1999. A comissão disse em relatório que a Turquia continua falhando em atender aos critérios políticos e econômicos de filiação e na necessidade de limpar seus registros sobre incidentes relacionados aos direitos humanos. Embora a Turquia tenha dado início à melhoria de seus registros, os problemas permanecem, disse a comissão. O comitê sugeriu dobrar a ajuda de "pré-acesso" de 715 milhões de euros (US$ 706 milhões) à Turquia para reformas no Judiciário, para pequenos negócios e para modernização do serviço civil. Os Estados Unidos apelaram para os europeus ocidentais para que sejam mais hospitaleiros com a Turquia, considerada uma aliada muçulmana leal e estrategicamente importante na guerra contra o terrorismo.Os convites para filiação serão provavelmente feitos no encontro da UE em meados de dezembro em Copenhague, Dinamarca. Isso significa que restarão dois anos para que os tratados de acesso de Malta, Chipre e os oitos países do Leste Europeu sejam ratificados pelas nações da UE, pelos países-candidatos e também pelo Parlamento Europeu. A ampliação da UE, contudo, ainda enfrenta grandes obstáculos: as nações da UE devem discutir os subsídios aos agricultores nos países-candidatos; os eleitores irlandeses podem rejeitar a expansão em um segundo turno em 19 de outubro; e as conversações para reconciliação entre os gregos-cipriotas e turco-cipriotas serão concluídas muito brevemente.As negociações começaram com Chipre, Estônia, Hungria, Polônia, República Tcheca e Eslovênia, em março de 1998, e com Malta, Romênia, Bulgária, Letônia, Lituânia e Eslováquia, em outubro de 1999. As negociações cobrem 30 diferentes áreas, como econômica, política, comércio e outras, sobre as quais os candidatos devem aplicar as regras e a legislação da UE. A filiação pode prometer benefícios comerciais e outros, acima de todas as facilidades da UE. Mas também expõe setores dos Estados-candidatos à dura competição de seus rivais mais ricos da União.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.