Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

UE reduz ainda mais lista de fazendas para exportar carne

Técnicos europeus encontram inconsistências em relatórios que trazem informações sobre as propriedades

Fabíola Salvador, da Agência Estado,

26 de fevereiro de 2008 | 16h13

Apesar de o governo ter reduzido de forma significativa a lista de fazendas aptas a vender animais para frigoríficos que exportam carne in natura para a União Européia (UE), os técnicos europeus que estão no Brasil desde domingo encontraram inconsistências nos relatórios que trazem informações sobre as propriedades. Diante das deficiências, os europeus e técnicos do Ministério da Agricultura decidiram, de comum acordo, excluir outras propriedades da lista de fazendas que poderão ser visitadas pelos europeus nos próximos dias. Na sexta-feira, o Ministério encaminhou documento à UE informando que, após analisar a documentação das propriedades auditadas em janeiro, constatou que menos de 200 propriedades cumpriam todos os requisitos previstos na Instrução Normativa 17, de 2006, que define as regras da rastreabilidade. A lista teria apenas 150 fazendas. Nos corredores do prédio anexo do ministério, onde fica a Secretaria de Defesa Agropecuária, a torcida é para que reste alguma fazenda na lista que servirá de base para a escolha das propriedades que serão vistoriadas pelos europeus até o dia 11 de março. O roteiro das visitas deve ser definido após a checagem dos dados, mas as fazendas localizadas em Goiás devem ser as primeiras a ser inspecionadas pelos europeus, o que pode acontecer ainda nesta semana. As visitas devem ser intensificadas na próxima semana, quando outros técnicos da UE chegarão ao Brasil. Dois europeus já estão no Brasil e outros sete chegarão ao País na segunda-feira, 3. Apesar dos cortes constantes nas listas, técnicos do ministério ressaltam a importância da visita da missão para a retomada das vendas de carne bovina in natura para o bloco. "Não interessa o número de fazendas que estarão na lista ou que serão inspecionadas", afirmou uma fonte do governo. "O importante é reabrir o mercado, o que depende da apresentação de dados confiáveis", completou um desses técnicos.  Ele lembrou que todas as fazendas que, comprovadamente, cumprirem as regras de rastreabilidade poderão vender para o bloco e não só aquelas que serão vistoriadas pelos europeus. O secretário de Defesa Agropecuária, Inácio Kroetz, está em Minas Gerais, acompanhando o chefe do Serviço Federal Veterinário e Fitossanitária da Rússia, Sergey Dankvert.

Tudo o que sabemos sobre:
CarneUnião Européia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.