UE trouxe muitos benefícios ao Reino Unido

Milhões de empregos no país estão ligados à adesão britânica ao maior mercado único do mundo

Richard Branson, O Estado de S.Paulo

23 Junho 2016 | 05h00

Nas cinco últimas décadas abri dezenas de empresas e o Virgin Group hoje emprega 50 mil pessoas na Grã-Bretanha. Embora resida nas Ilhas Virgens Britânica há algum tempo, nunca deixei de me preocupar com o Reino Unido e seu povo. E como empreendedor aprendi algumas coisas sobre risco e deixar a União Europeia não é um risco que gostaria que meu país assumisse. Não como investidor nem como empreendedor, e certamente não como pai e avô.

A União Europeia propiciou enormes benefícios para o Reino Unido, sua economia e sua população. Três milhões de empregos no país estão ligados à adesão britânica ao maior mercado único do mundo, um mercado de mais de 500 milhões de consumidores, oferecendo oportunidades inigualáveis de investimento e comércio, e assegurando abertura, transparência e segurança.

Os parceiros comerciais da União Europeia compram 44% de todos os produtos de exportação britânicos, mais de 300 mil empresas inglesas operam em outros Estados da UE e ela dá um grande suporte a milhares de startups a cada ano. Ainda não ouvi nenhuma razão convincente para o país sair do bloco.

Existem outras razões, mais pessoais, para a permanência. Em primeiro lugar, uma das mais importantes realizações da União Europeia é ter mantido seus membros longe de conflitos na Europa. Represento a primeira geração da minha família a não ir para uma guerra na Europa. Meu pai combateu no norte da África, na Itália e na Alemanha durante a 2.ª Guerra Mundial. Meu avô sobreviveu aos horrores das trincheiras na 1.ª Guerra Mundial. Durante séculos, cada geração travou uma guerra com um ou outro país europeu.

Mas da carnificina e da devastação da 2.ª Guerra Mundial surgiu uma nova visão, de uma parceria pacífica entre as nações europeias baseada na cooperação econômica e na abertura. Até Winston Churchill clamou por um “Estados Unidos da Europa”, onde milhões “recuperarão a alegrias e a esperança que tornam a vida digna de ser vivida”.

Nenhum tiro foi disparado entre os Exércitos dos Estados-membros da União Europeia. Na verdade, em 2012, a União Europeia recebeu o Prêmio Nobel da Paz por defender as causas da paz, reconciliação, democracia e direitos humanos.

Como membro da União Europeia, o Reino Unido está muito mais próspero economicamente. Seu comércio é feito sem barreiras ou tarifas. Os cidadãos britânicos podem viver, estudar e trabalhar onde desejarem dentro da União Europeia. E ameaças globais enfrentadas pelos cidadãos britânicos, jovens e velhos, como a mudança climática, crise financeira ou conflitos, são melhor solucionadas coletivamente.

A União Europeia fortaleceu tanto a Europa como o Reino Unido. Se concorda comigo, insisto para que vote pela permanência. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

Fundador do Virgingroup

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.