coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

UE vai anunciar hoje tarifas para o aço, diz representante da Comissão

A União Européia vai anunciar hoje as tarifas e cotas para o aço que pretende impor em resposta ao protecionismo do Estados Unidos às siderúrgicas norte-americanas, segundo afirmou um representante da Comissão Européia à agência Dow Jones. As medidas foram desenhadas com o objetivo de prevenir uma enxurrada de importações para a Europa dos países atingidos pelas sobretaxas dos EUA, como a China ou a Coréia do Sul. De acordo com o representante, a UE vai aplicar uma tarifa única de até 35% para importações de aço em vez de estipular tarifas diferenciadas para cada produto. O representante defendeu a medida da UE afirmando que ela não foi criada para cortar as importações, mas para mantê-las nos mesmos níveis dos anos anteriores. Para isso, as tarifas da UE serão impostas apenas em importações acima de uma cota determinada. O bloco europeu não vai estabelecer cotas específicas para cada país, conforme era esperado. As cotas européias serão baseadas numa média de quanto aço entrou na Europa entre 1999 e 2001. Apesar das estatísticas de 2001 estarem incompletas, a Comissão decidiu incluir os dados disponíveis de 2001 porque as normas de comércio exigem dados mais recentes, como informou o representante. As importações cresceram quase 5% em 2001 para 26,6 milhões de toneladas, de 25,4 milhões. Entre 1998 e 2000, a UE importou uma média de 23,3 milhões de toneladas. No período entre 1999 e 2001, a média aumentaria para 24,7 milhões. Para equilibrar essa diferença, a EU vai permitir 10% a mais do que o nível médio, disse o representante. "Estamos acrescentando 10% para haver uma margem de segurança em cima da média", afirmou.O comissário do Comércio da UE, Pascal Lamy, declarou que a Europa não vai permitir que até 16 milhões de toneladas de aço excedente entrem no mercado europeu provocando quedas nos preços do aço e trazendo riscos para empregos. "Nosso objetivo não é reduzir o acesso ao nosso mercado, mas evitar um desvio do aço (que iria) para os EUA", disse Lamy. As medidas protecionistas da Europa vão durar seis meses e devem começar na primeira semana de abril. Segundo o representante da Comissão, as ações serão revisadas em julho e poderão ser estendidas. As informações são da agência Dow Jones.

Agencia Estado,

21 de março de 2002 | 14h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.