UGT quer negociar demissões antes de eventual fusão CBD-Carrefour

Organização disse que pedirá ao Cade, caso o órgão venha a julgar fusão, para que tenha um 'olhar social' sobre o negócio, que traria consequências negativas para centenas de trabalhadores

Wladimir D'Andrade, da Agência Estado,

28 de junho de 2011 | 16h50

O presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT), Ricardo Patah, afirmou nesta terça-feira, 28, que já busca entrar em contato com a direção do Carrefour Brasil e da Companhia Brasileira de Distribuição (Grupo Pão de Açúcar) para evitar demissões, caso uma fusão entre as duas empresas de varejo seja concretizada.

Patah disse também que pedirá ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), se o órgão vir a julgar uma eventual fusão, para que tenha "um olhar social" sobre o negócio, que teria consequências negativas para centenas de trabalhadores.

Patah disse ainda temer fusões "num setor tão sensível" quanto o de alimentação, diretamente envolvido na criação do Novo Pão de Açúcar, que se tornaria a maior empresa varejista do País, com 27% do mercado formal brasileiro de supermercados ou, conforme dados da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), 32% do faturamento bruto anual do setor.

Segundo ele, uma empresa tão grande poderia aumentar custos dos alimentos para a sociedade por conta de concentração de mercado. "No longo prazo, fica quase impossível de termos preços acessíveis à população", afirma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.