Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Último reajuste foi em janeiro

A última vez que o governo autorizou a Petrobrás a reajustar o valor cobrado pelos combustíveis nas refinarias foi no dia 30 de janeiro. A gasolina aumentou 6,6% e o diesel, 5,4%. Na época, o impacto do aumento para o consumidor foi calculado pelas consultorias entre 4,2% e 5,3%. Porém, para amenizar esse impacto, o governo antecipou um decreto que elevava de 20% para 25% a parcela de etanol na gasolina.

O Estado de S.Paulo

21 de novembro de 2013 | 02h12

Com mais álcool na mistura, o reajuste da gasolina seria diluído, o que poderia reduzir o preço final do combustível. Porém, as usinas de etanol só conseguiriam produzir mais álcool no fim do semestre, auge da colheita de cana-de-açúcar.

No dia seguinte ao anúncio, o reajuste dos combustíveis foi repassado para o consumidor. O acréscimo nas bombas foi entre R$ 0,10 e R$ 0,12 por litro. Nas cidades do Rio e de São Paulo, o preço por litro chegou a superar os R$ 3.

Com a urgência de reforçar o caixa da Petrobrás com o objetivo de viabilizar seu programa de investimentos no médio prazo e as eleições presidenciais de 2014, já estava no radar que o governo poderia antecipar do ano que vem para o segundo semestre de 2013 mais um aumento no preço dos combustíveis.

Segundo economistas, o preço da gasolina poderia subir 5%na bomba entre julho e dezembro deste ano, o que elevaria em 0,2 ponto porcentual o IPCA em 2013.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.