Ultrapar aceita pagar mais caro por ação da Petróleo Ipiranga

CVM sugere valor e empresa decide não recorrer da decisão por ação na oferta pública

Reuters,

02 de outubro de 2007 | 13h42

A Ultrapar informou nesta terça-feira, 2, que não vai recorrer de decisão da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e adotará o valor sugerido pelo regulador de R$ 64,43 por ação na oferta pública a minoritários da Petróleo Ipiranga .  Em comunicado, a Ultrapar informou manter o entendimento de que o valor anterior de R$ 58,10 por ação ordinária correspondia a 80% do valor negociado com os controladores da Ipiranga, mas preferiu adotar o preço sugerido pela CVM para não retardar o pagamento aos acionistas minoritários, tendo em vista "as obrigações decorrentes do processo de aquisição do Grupo Ipiranga".  A Ultrapar, em associação com a Petrobras e a Braskem, adquiriu em março os ativos do Grupo Ipiranga no Brasil, em negócio estimado em US$ 4 bilhões - o equivalente a R$ 7,2 bi. Posteriormente, os negócios da Ipiranga foram divididos entre as partes, de acordo com suas áreas de atuação.  Em setembro, a Ultrapar informou que a decisão da CVM sobre elevar o valor a ser pago a minoritários da Petróleo Ipiranga elevaria de 175 para 194 milhões de reais o valor total da oferta pública obrigatória e disse que estava avaliando a possibilidade de um recurso junto ao colegiado da CVM, opção agora descartada.

Tudo o que sabemos sobre:
UltraparPetróleo Ipiranga

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.