Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Ultrapar compra ativos da Texaco no Brasil por R$ 1,16 bi

Aquisição acrescenta 2 mil postos e 48 bases de operação à rede Ipiranga, que será a única bandeira do grupo

Denise Luna, da Reuters,

14 de agosto de 2008 | 10h31

A Ultrapar anunciou nesta quinta-feira, 14, a compra da distribuição de combustíveis da Texaco no Brasil, da Chevron, por R$ 1,16 bilhão, consolidando a presença da empresa em um mercado no qual estreou no ano passado, com a aquisição de parte da Ipiranga.  A aquisição da Texaco vai acrescentar mais 2 mil postos e 48 bases de operação à rede Ipiranga, que será a única bandeira do grupo Ultra no País. O Ultra informou que vai pagar a aquisição com caixa próprio.  Após a conclusão do negócio, que ainda depende da separação da distribuição da Chevron dos negócios de exploração de petróleo da empresa no Brasil, prevista para início de 2009, a rede Ipiranga ficará com 5 mil postos e 23% do mercado, informou o Grupo Ultra em nota nesta quinta-feira.  Segundo o Ultra, líder na distribuição de GLP (gás de cozinha), a compra da Texaco consolida a companhia em segundo lugar na distribuição de combustíveis no Brasil. Para o analista do Banco do Brasil Investimentos, Nelson Matos, "será um segundo lugar com folga", no ranking geral, perdendo apenas para a Petrobras .  "Foi um bom negócio para o Ultra, a Petrobras não poderia comprar mesmo, já teve até que vender parte do que comprou da Ipiranga por determinação do Cade", avaliou, referindo-se à concentração de mercado que obrigou a Petrobras a vender os postos do Distrito Federal e Mato Grosso do Sul.  O Grupo Ultra comprou a Ipiranga em parceria com a Petrobras, no ano passado. O Ultra ficou com os ativos do Sul e Sudeste, onde a BR Distribuidora, braço de distribuição da Petrobras, já tem grande concentração de mercado.  Matos, que passará a cobrir a empresa devido ao seu ganho de importância no mercado, destacou que a rede adquirida pelo Ultra consiste em postos bem localizados e que conseguem boa receita. "É uma boa rede, porque está localizada no Sul, Sudeste e nas cidades, com boas vendas", avaliou.  Sobre a saída da Chevron do negócio, meses após a venda dos ativos da Esso no país, Matos explicou que a margem do negócio de distribuição é pequena e a concorrência está cada vez maior, o que tem levado estrangeiras a rever sua presença no setor. "Entre as grandes agora só tem a Shell, que já falou que vai ficar", informou.  Em 2007, a Texaco vendeu 6,7 milhões de metros cúbicos de diesel, gasolina, etanol e GNV, um crescimento de 8% em relação a 2006, representando uma participação no mercado nacional de 9%.  Além de distribuir combustíveis o Ultra atua também nos setores de petroquímica e logística. Em junho, a empresa comprou a parte de logística da Unipar, por 510 milhões de dólares, obtendo a maior operadora de logística de granéis líquidos da América do Sul.  O Ultra estuda ainda a participação no Complexo Petroquímico do Estado do Rio Janeiro (Comperj), projeto de mais de US$ 8 bilhões da Petrobras, e está investindo R$ 650 milhões para aumentar a capacidade da subsidiária Oxiteno.

Tudo o que sabemos sobre:
CombustíveisUltraparTexacoEmpresas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.