finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Ultrapar traça plano ambicioso para Extrafarma

Dona dos postos Ipiranga espera estar pronta para acelerar expansão da rede de farmácias a partir de fevereiro; estratégia deverá incluir novas aquisições

ANDRÉ MAGNABOSCO, O Estado de S.Paulo

09 de novembro de 2013 | 02h12

A diretoria da Ultrapar, holding que controla empresas como a Ipiranga e Ultragaz, aproveitou encontro com analistas e investidores em São Paulo para demonstrar o apetite com o qual ingressa no setor de varejo farmacêutico. Após adquirir em setembro a Extrafarma, ativo que deverá ser incorporado efetivamente aos resultados da Ultrapar a partir de fevereiro de 2014, o grupo traça planos ambiciosos nesse mercado.

Além de ter a meta de quadruplicar o resultado da Extrafarma em um período de cinco anos, a Ultrapar sinaliza que a rede pode ser um veículo para o processo de consolidação do setor. O primeiro passo, porém, deve ser interno.

A Ultrapar priorizará a integração das atividades e a elaboração de um plano de crescimento mais acelerado. De acordo com o diretor Financeiro e de Relações com Investidores da Ultrapar, André Covre, a Extrafarma tem crescido a uma taxa de 40 a 50 lojas abertas por ano. A RaiaDrogasil, uma das grandes do setor, tem aberto em média 130 lojas por ano.

Esse número é considerado uma referência para o crescimento da Extrafarma no médio prazo. A meta, segundo Covre, é que os números cresçam gradativamente a partir de 2014, até chegar a um ritmo de abertura de lojas semelhante ao visto na concorrente. Hoje, a Extrafarma tem 200 lojas localizadas nas regiões Norte e Nordeste do País. "Não conseguimos saltar de 50 para 130 lojas de um ano para o outro. Mas o número de 130 é algo que podemos alcançar em alguns anos", disse o executivo.

Com a abertura possível de mais de 500 lojas nos próximos cinco anos, a Ultrapar acredita que poderá alavancar o Ebitda da Extrafarma de R$ 77 milhões, valor estimado para 2013, para R$ 300 milhões. A rede farmacêutica, que se tornará a quinta empresa controlada pela Ultrapar, passaria a trazer um resultado em 2018 equivalente ao que hoje é obtido pela holding com a Ultragaz, distribuidora de gás de cozinha.

Essa projeção, porém, considera apenas o crescimento orgânico da Extrafarma. Mas o histórico de 17 aquisições nos últimos sete anos e as declarações dadas pela diretoria da Ultrapar mostram que a expansão da rede também se dará via aquisições ou fusões.

"Analisando a estrutura do mercado brasileiro, observamos que a consolidação ainda está em estágio inicial. A participação de mercado das cinco maiores redes é de 30%", destacou o presidente da Ultrapar, Thilo Mannhardt. Em países como México e Chile, as cinco maiores empresas do setor respondem por mais de 70% do mercado, conforme a apresentação da Ultrapar.

Perspectiva. Essa é uma das razões que leva o executivo a acreditar que o forte crescimento do setor de varejo farmacêutico se manterá "por um bom tempo". Ele também citou outros aspectos para justificar a previsão, como a expectativa de envelhecimento da população e o maior consumo de produtos de higiene e beleza.

Além disso, o maior número de pessoas empregadas resultará em um crescimento no número de brasileiros atendidos por planos de saúde e, consequentemente, em maior prescrição de remédios, assim como a melhoria da renda do brasileiro contribuirá para um maior consumo de produtos como os medicamentos genéricos. O Brasil tem hoje um consumo per capita de medicamentos inferior ao de países como a Argentina.

Tudo o que sabemos sobre:
economia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.