Um ano do acidente com a P-36 será lembrado com protestos

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) e a Central Única dos Trabalhadores de São Paulo (CUT-SP) anunciaram que promoverão amanhã uma série de manifestações em plataformas e refinarias da Petrobras para marcar o primeiro ano do acidente ocorrido na Plataforma P-36, que operava na Bacia de Campos no Rio de Janeiro. Segundo as entidades sindicais, os protestos visarão exigir segurança nos locais de trabalho dos petroleiros e homenagear os 11 profissionais mortos no acidente do ano passado."Metalúrgicos, trabalhadores da construção civil, rurais, condutores, bancários engrossam as estatísticas de sinistros diariamente nos locais de trabalho. Se tais dados fossem divulgados com seriedade pelos órgãos oficiais, teríamos números bem próximos ao de algumas guerras que ocorrem neste planeta", diz em comunicado o presidente da CUT-SP, Antonio Carlos Spis. Ele defende ainda que o afundamento da P-36 não apresentou indícios de mais uma catástrofe e sim desrespeito às normas de segurança e à falta de investimentos no setor.A CUT-SP informou também, por meio de comunicado, que o ato de amanhã faz parte do calendário de construção do que a central chama de "Greve Nacional contra a Redução dos Direitos dos Trabalhadores". Diz a CUT-SP que os trabalhadores estão ameaçados de perder seus direitos por causa do projeto do governo que modifica a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), a ser apreciado pelo Congresso Nacional na próxima quinta-feira, dia 21 de março.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.