finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Um em cada três aposentados já recorreu ao crédito consignado

Um em cada três aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) já recorreu ao empréstimo com desconto em folha, disponível desde maio de 2004. É o que mostra balanço da Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social (Dataprev), que processa a folha mensal de pagamentos da Previdência.Até setembro, 6,4 milhões de segurados fizeram este tipo de operação de crédito, também chamado empréstimo consignado, o que representou 33% dos 19 milhões dos beneficiários do INSS. O consignado é uma das formas mais baratas de crédito do País. As taxas de juros mensais de 2,86% representam menos de metade da taxa de juro média cobrada em outros tipos de empréstimo. As prestações do consignado não podem ultrapassar 30% do valor mensal da remuneração e são descontadas diretamente na folha e repassadas aos bancos, que têm garantia de recuperação do crédito. Correndo menos risco de inadimplência, os bancos podem cobrar juros mais baratos. O programa de crédito consignado foi aberto apenas para segurados do INSS com benefícios permanentes, como aposentadorias ou pensões, para facilitar o controle. Quem recebe auxílio-doença, por exemplo, que é concedido por poucos meses, não podem pedir este tipo de empréstimo bancário. Ao longo de dois anos e quatro meses de existência, as operações do consignado aos beneficiários do INSS totalizaram 12,3 milhões. Como os segurados podem tomar mais de um empréstimo, a média atualmente é de 1,9 empréstimo por aposentado ou pensionista. Segundo o balanço da Dataprev, até setembro o volume de dinheiro movimentado na economia com esses créditos foi R$ 17,9 bilhões. A maior parte desses recursos, R$ 15,6 bilhões, se refere a empréstimos que ainda estão sendo pagos, ou seja, pouco mais de R$ 2 bilhões foram quitados. Somente em setembro, foram feitos 510 mil novos empréstimos que somaram R$ 636,5 milhões.PerfilSegundo a Dataprev, 66% dos aposentados e pensionistas que recorrem ao crédito consignado recebe por mês do INSS entre um e dois salários mínimos, ou seja, entre R$ 350 e R$ 700. O maior número de empréstimos com desconto em folha a aposentados é registrado em São Paulo (2,1 milhões operações ativas e R$ 4 bilhões emprestados), Rio de Janeiro (R$ 1,9 bilhão) e Minas Gerais (R$ 1,5 bilhão).Mais da metade dos contratos têm prazo máximo de pagamentos de 36 meses. O limite de parcelamentos foi fixado em setembro do ano passado para evitar o endividamento bancário excessivo dos segurados. No início do programa, o prazo chegava a 60 meses e, nessa categoria, existem ainda cerca de 350 mil contratos. Os dados da Dataprev dizem respeito somente aos financiamentos concedidos aos aposentados e pensionistas, que somaram R$ 17,9 bilhões até setembro. Se considerados também os empregados de empresas públicas e privadas que tomaram o empréstimo com desconto em folha, o total é bem maior, R$ 44,3 bilhões, segundo o Banco Central. Por causa dos juros baixos, os empréstimos consignados hoje representam 52,6% do total de operações de crédito pessoal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.