Um Facebook só de vídeo

No início da semana, em uma conferência, a principal executiva do Facebook na Europa, Oriente Médio e África, Nicola Mendelsohn, fez uma afirmação surpreendente: em cinco anos o conteúdo no Facebook será primordialmente vídeo. Cada vez escreve-se menos na rede social, explicou ela. Para a executiva, “a melhor forma de contar histórias é o vídeo, pois traz muita informação de forma rápida”.

Pedro Doria, O Estado de S.Paulo

24 Junho 2016 | 05h00

Até 2021, ao abrir a maior rede social do planeta, veremos uma torrente de vídeos com quase nenhum texto.

Mas será mesmo?

Podemos encontrar pistas na Coreia do Sul. É o país mais conectado do planeta. Em nenhum outro canto do mundo a internet atinge velocidades tão rápidas por um custo tão baixo. O Wi-Fi público predominante nas ruas de Seul faz com que as melhores conexões 4G pareçam piada. É assim faz anos.

A velocidade faz diferença. Os sul-coreanos vivem com seus smartphones à mão e conversas em vídeo são tão habituais quanto nossa troca de áudios via WhatsApp. Assistem séries e filmes no metrô. Uma das febres do país é o muk-bang: são vídeos de moças que fazem imensas refeições ao vivo. Mesmo.

Milhares de pessoas, assistem pela internet, toda noite, jovens moças fazendo refeições barbaramente calóricas, com muitos barulhos e gemidos de prazer. (Antropólogos explicam que, numa cultura obcecada com magreza, o muk-bang é um tipo de consolo.)

Cada país com seus peculiares hábitos digitais. Internet farta, na Coreia do Sul, resultou em amplo consumo de vídeo. É possível que a aposta do Facebook passe por aí: a melhoria na infraestrutura digital pode nos levar a um cenário assim.

Mas não é só isso. O Facebook, assim como o Google e tantas outras empresas de internet, tem um negócio claro. Constrói audiências, mantém seus usuários lá dentro e expõe publicidade. O programa que decide o que aparecerá na frente de cada um de nós é cuidadosamente regulado para nos manter ligados.

Os incentivos são vários. Quando a estratégia da empresa busca incentivar conversas entre pessoas, a ferramenta de sugestões entra: você faz aniversário de amizade com fulano hoje, diz. Ou: veja as fotos que você acaba de tirar, não quer publicar uma? Nenhuma sugestão é à toa. Todas trabalham para nos manter conectados.

A publicidade em vídeo é a mais rentável e o Facebook está chegando atrasado. Através do YouTube, o Google é rei. Via Periscope, o Twitter oferece uma ferramenta para entrar ao vivo já há alguns anos. Alcançar a concorrência exige esforço e a rede de Mark Zuckerberg, ao lançar seu Facebook Live, apostou em táticas de velha mídia. Contratar estrelas como o chef escocês Gordon Ramsey ou o guru indiano Deepak Chopra. Segundo o Wall Street Journal, o site Buzzfeed recebeu US$ 3 milhões para entrar ao vivo em vídeo por um ano. O jornal The New York Times assinou um contrato equivalente de criação de conteúdo para a plataforma.

A afirmação da executiva, portanto, não é apenas a constatação de uma tendência de comportamento. É a identificação de um nicho rentável e o Facebook trabalhando para empurrar seus usuários para lá.

Vídeos certamente farão parte cada vez maior de nosso cotidiano digital. Mas não devem expulsar textos e áudio da equação. Contrariando Mendelsohn, a melhor forma para passar muita informação em pouco tempo é o texto. Além disso, texto é fácil de buscar. Vídeo, não. E o áudio é excelente para aqueles momentos em que precisamos da atenção dos olhos, mas os ouvidos estão livres.

Há espaço para todos na internet.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.