Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Um novo Rolls-Royce 'para o dia a dia'

Marca ignora crise e lança hoje em SP uma versão renovada do modelo Ghost, de R$ 2,9 milhões

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

24 de março de 2015 | 02h07

Em tempos de crise econômica e dólar em alta, a marca de carros de super luxo Rolls-Royce apresenta hoje em São Paulo a versão renovada do Ghost, que será vendida no País a R$ 2,9 milhões.

É a versão mais em conta da marca, que também oferece o Wraith a R$ 3,6 milhões e o Phanton a R$ 4 milhões. Já há pelo menos duas encomendas do novo carro, informa o diretor executivo da Rolls-Royce no Brasil, Milton Chameh.

"O Ghost é um carro para o dia a dia da nossa clientela", afirma Chameh. A apresentação do modelo será realizada à noite, no Consulado Britânico, para cerca de 150 convidados.

A versão anterior do Ghost, lançada em 2009, era vendida no Brasil a R$ 2,4 milhões. Segundo Chameh, o novo modelo tem vários diferenciais tecnológicos, como um sistema via satélite que, por meio do GPS, reconhece a área em que o veículo está rodando e reduz sozinho a velocidade, caso o condutor esteja perto de uma curva e siga em alta velocidade.

Outra novidade é um display que, em vez do painel, mostra informações no para-brisa para não reduzir a atenção do condutor. Também tem sistema que identifica obstáculos à noite.

Vendas. O novo Ghost foi lançado na Europa em setembro e chega ao Brasil num momento de alta de câmbio e queda nas vendas de veículos, até mesmo no segmento top, tradicionalmente menos afetado pelos altos e baixos da economia.

No primeiro bimestre, foram vendidos no País sete unidades das marcas de super luxo Bentley, Ferrari, Lamborghini e Rolls-Royce, que trabalham com produtos acima de R$ 1 milhão. A Aston Martin não vendeu nenhuma unidade em janeiro e fevereiro. Em igual período do ano passado essas empresas venderam 11 veículos, segundo dados da Associação Nacional das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores (Abeifa).

De acordo com a entidade, no ano passado a Rolls-Royce vendeu dois automóveis, ante seis no ano anterior. A marca chegou oficialmente ao Brasil em 2011. Chameh não detalha números de vendas por país, mas diz que, no mundo todo, a Rolls Royce comercializou 4.063 unidades em 2014. As vendas da marca, afirma ele, crescem há cinco anos seguidos.

"O mercado de alto luxo está em ascensão no mundo todo e no Brasil não é diferente", afirma o executivo. Para ele, a alta do dólar afeta o mercado, mas não chega a ser um empecilho.

Chameh avalia que os modelos da marca britânica, antes na lista dos preferidos entre chefes de estado, membros da realeza, estrelas de cinema e jogadores de futebol - como o craque português Cristiano Ronaldo, do Real Madri - hoje já tem um público consumidor mais diversificado e tem atraído muitos jovens.

A nova estratégia do grupo é apresentar o Ghost como um carro moderno, luxuoso e descolado. Além disso, diz Chameh, assim como nos demais modelos, é possível customizar o automóvel com variados itens. "O céu é o limite para nosso cliente."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.