Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Um problema que pode ficar sério

Recente notícia publicada no Estado dá conta de que o total da inadimplência no financiamento de automóveis passa dos R$ 13 bilhões, dos quais R$ 4 bilhões já estão atrasados há mais de 90 dias.É um dado preocupante, mas, de certa forma, esperado. O problema é que ele vem cedo demais, uma vez que o Brasil ainda não atingiu o segundo estágio da atual crise internacional. Tendo na base a quebra de confiança na economia, a atual crise, em boa parte dos países desenvolvidos, pode ser dividida em três fases.A primeira derrubou o crédito e quebrou bancos, seguradoras e fundos de investimentos; a segunda atingiu a economia real, diminuindo o consumo, os investimentos e a capacidade de produção; e agora entra uma terceira, representada pela perda do emprego e pela quebra de empresas.O Brasil sente a falta de crédito e a redução da capacidade de produção da economia real, mas ainda não foi atingido pelo desemprego e pela quebra de suas empresas. Este quadro, segundo os analistas, só deve acontecer no ano que vem e em ritmo mais ameno que em várias outras nações.E é aí que mora o perigo: com a economia ainda a salvo das conseqüências de uma forte onda de desemprego, a indústria automobilística já sente a queda das vendas, fruto da falta do crédito fácil, da inadimplência e da conseqüente maior exigência para a concessão de financiamentos, especialmente os de longo prazo.Mas a inadimplência detectada é apenas a ponta de um iceberg, atualmente representado apenas pela soma dos prazos dos financiamentos com a falta de capacidade de grande parte dos compradores honrarem seus compromissos. Este quadro deve se agravar com a chegada do terceiro momento da crise, uma vez que com o desemprego a inadimplência aumenta, tornando-se um problema sério para as instituições comprometidas com o financiamento de veículos.Em outras palavras, o crédito para financiamento de veículos, que começava a ficar escasso pela falta de dinheiro no mercado, deve ficar ainda mais difícil de ser conseguido, pelo aumento dos juros praticados e pela seletividade imposta pelas financeiras para a sua concessão.As montadoras e os principais importadores sabem que o mar não está para peixe e que o cenário de demanda aquecida visto até recentemente, e sentido, antes de tudo, na volta do ágio praticado em determinados modelos, é coisa do passado, tanto que as montadoras já programam férias coletivas e os importadores fazem promoções para diminuir seus estoques.Este quadro adverso impacta a atividade seguradora. O seguro de automóveis é o grande responsável por boa parte do dinheiro em caixa das companhias de seguros. Seguro de giro rápido, as entradas e saídas decorrentes das apólices de automóveis são responsáveis por parte significativa do dinheiro à disposição destas empresas.Além disso, são grandes captadoras de recursos para investimento no mercado financeiro. Não é por outra razão, senão a taxa de juros e a alta da bolsa até meados do ano, que uma parte do segmento está com o preço de seus seguros de automóveis abaixo do ideal.O retorno financeiro justificava um eventual prejuízo industrial, uma vez que o resultado operacional ficava positivo, em função do resultado das aplicações compensarem o prejuízo com o próprio negócio.Com a crise, a situação muda de figura. A queda das vendas dos veículos novos afeta o crescimento da atividade seguradora pela redução do número de novos negócios. Os preços baixos destas apólices comprometem o resultado das companhias. O excesso de oferta de veículos deve reduzir o valor dos seminovos e, por tabela, o prêmio dos seguros.E o desemprego impossibilitará o reajuste dos prêmios.Neste cenário, 2009 será um ano complexo, no qual a sintonia fina das companhias, a parceria com bons corretores e a calma para esperar passar a tormenta terão reflexos diretos nos resultados de cada um dos envolvidos, sejam seguradores, canais de distribuição ou outros prestadores de serviços.*Antonio Penteado Mendonça é advogado, sócio de Penteado Mendonça Advocacia, professor da FIA-FEA/USP e do PEC da Fundação Getúlio Vargas e comentarista da Rádio Eldorado. E-mail: advocacia@penteadomendonca.com.br

Antonio P. Mendonça*, O Estadao de S.Paulo

08 de dezembro de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.