Divulgação
Divulgação

Sindicalista se amarra a portaria de estaleiro em ato contra a Petrobrás

Metalúrgico enfrenta noite gelada de inverno no RS para criticar a 'amarração' criada pela estatal na região

Alexa Salomão, O Estado de S.Paulo

25 de junho de 2015 | 02h02

Rio Grande, no Rio Grande do Sul, virou palco de um protesto inusitado. Desde a madrugada da última terça-feira, o sindicalista Benito Gonçalves permanece amarrado às grades de proteção da portaria do Estaleiro QGI, um consórcio constituído pelas empresas Queiroz Galvão e Iesa para atuar no setor naval. Benito, que é presidente do Sindicato dos Metalúrgicos na região desde 2012, diz que "foi obrigado a este ato de desespero", que inclui enfrentar noites geladas do inverno gaúcho, a 3 graus, para protestar contra a "amarração" criada pela Petrobrás na região.

Há oito meses, Petrobrás e QGI não chegam a um acordo sobre o prazo de entrega e o valor a ser pago por alterações feitas no projeto básico de duas plataformas já encomendadas, as P-75 e P-77. Quando o contrato foi assinado, em setembro de 2013, o investimento previsto era de US$ 1,6 bilhão. As alterações feitas, tanto a pedido da estatal quanto por sugestão do estaleiro, elevaram o investimento em cerca de 8% e criaram um impasse que paralisa a produção, pois o estaleiro não tem condições de assumir os riscos do negócio sem garantia de pagamento. O grupo controlador de uma das sócias, a Iesa, inclusive, pediu recuperação judicial após ser envolvida na Operação Lava Jato.

O estaleiro já entregou quatro outras plataformas e chegou a empregar 12 mil trabalhadores. Hoje tem menos de 200 empregados. Há uma onda de demissões nos dois outros estaleiros da região: o Ecovix, subsidiária da Engevix Engenharia, e o EBR, do grupo Toyo Setal. Ou seja, são controlados por empresas que também sob investigação na Lava Jato. Mais de 10 mil operários estão desempregados. Pelo menos 4 mil poderiam estar trabalhando no QGI se não fosse a indefinição. Na última sexta-feira, tudo indicava que o acordo seria fechado, mas na última hora as partes voltaram à estaca zero, sem previsão para retomar as negociações.

"A situação dos desempregados aqui é dramática e só me restou este ato de desespero para chamar a atenção sobre o que estamos vivendo", diz Benito. Segundo o sindicalista, ele mesmo está perdendo a credibilidade por acreditar nas promessas de que o impasse não se prolongaria. "A presidente Dilma esteve duas vezes no Estado e garantiu que a coisa iria ser resolvida: eu endossei, mas até agora nada", diz Benito. O sindicalista também reclama dos políticos. "Visitei deputados e senadores em Brasília, mas eles não se interessam com o destino de quem realmente está sendo prejudicado pela roubalheira na Petrobrás", diz. 

Tudo o que sabemos sobre:
Petrobrásprotesto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.