finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Uma distribuidora de eletricidade maltratada

Reversão da herança de décadas de inépcia estatal na Celg requer tempo e muito trabalho sério

Claudio Sales e Eduardo Muller Monteiro, O Estado de S.Paulo

17 de dezembro de 2019 | 04h00

Como explicar ao cidadão comum a complexidade envolvida na gestão de uma distribuidora de eletricidade sem entrar em conceitos técnicos e complexos? Como evidenciar que as ações tomadas e os investimentos feitos – ou não feitos – hoje só serão percebidos, em alguns casos, depois de anos?

O setor de distribuição de eletricidade convive com aquele conceito próprio de operadores de serviços públicos essenciais segundo o qual “quando tudo está bem, ninguém percebe, mas quando algo de errado acontece todos reclamam”. E não é difícil de entender por que reclamam: qualquer interrupção de eletricidade é indesejável, mas, ao mesmo tempo, poucos entendem a intrincada rede de ativos e processos que precisam operar harmonicamente, a cada segundo, para manter a operação perfeita.

É por isso que existem os chamados indicadores de continuidade do serviço, estabelecidos pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que regula o setor, para definir os limites de interrupções do serviço que cada distribuidora precisa respeitar: tanto a duração quanto o número de interrupções têm limites objetivos, e quando tais limites são ultrapassados as empresas são punidas com perda de tarifa.

Com o quadro acima em mente, os ataques do governador e da Assembleia Legislativa do Estado de Goiás à distribuidora local (Enel Distribuição Goiás) não parecem ser os mais construtivos para a população que tais atores políticos afirmam querer defender.

É bom lembrar que a distribuidora goiana – privatizada em novembro de 2016 por R$ 2,2 bilhões, com um ágio de 28% que engordou os cofres goianos – foi durante décadas vítima da péssima gestão estatal, que levou ao sucateamento da rede e à última posição da empresa no ranking nacional de qualidade de serviço.

Enquanto na fase estatal o governo investia R$ 220 milhões por ano – insuficientes para manter a reposição e a expansão adequadas dos ativos –, a nova gestão privada tem investido R$ 800 milhões por ano, ou mais que o triplo. Esse plano acelerado de investimentos tem sido alocado em várias frentes, incluindo 17 novas subestações de grande porte, ampliação e modernização de 130 outras subestações, incorporação de 580 eletricistas, aquisição de 300 veículos e uso de três helicópteros.

Os esforços acima vêm impactando de forma positiva os índices de qualidade. Numa janela mais curta e mais recente de medição, e mesmo considerando um mês intenso em chuvas e raios, o número de clientes desligados por mais de 24 horas caiu de cerca de 7 mil, no dia 12 de novembro, para cerca de mil, no dia 21 de novembro. Já quando são observados indicadores mais globais, a empresa já passou a cumprir as metas regulatórias de duração e quantidade de interrupções.

As declarações de viés político-ideológico apenas geram ruído e desperdício de tempo e de recursos, inclusive recursos públicos escassos que poderiam estar sendo direcionados para resolver o problema concreto dos consumidores goianos.

O governo de Goiás, que atravessa uma séria crise fiscal, deveria dar sinais de respeito aos contratos e valorizar os investimentos privados, e não atrapalhar aqueles que estão aportando bilhões de reais e gerando milhares de empregos no Estado.

A reversão do quadro herdado de décadas de inépcia estatal requer tempo e muito trabalho sério. Se os políticos goianos realmente estiverem preocupados com o interesse público, chegou a hora de abandonarem suas bússolas eleitorais e, em benefício dos consumidores, deixarem a empresa cumprir seu contrato de concessão e executar seu longo trabalho de recuperação da antiga e maltratada Celg.

*SÃO, RESPECTIVAMENTE, PRESIDENTE E DIRETOR EXECUTIVO DO INSTITUTO ACENDE BRASIL (WWW.ACENDEBRASIL.COM.BR)

Tudo o que sabemos sobre:
energia elétrica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.