Uma inquietante piora da política cambial

O balanço de pagamentos de julho, divulgado ontem, confirma o enfraquecimento da situação cambial, com déficit nas contas correntes de US$ 4,5 bilhões, no mês; US$ 28,2 bilhões, entre janeiro e julho; e US$ 43,8 bilhões, em 12 meses. O Banco Central (BC) estima o déficit de 2010 em US$ 49 bilhões e, em média, os departamentos de análise econômica ouvidos pelo boletim Focus, em quase US$ 50 bilhões, mais que o dobro dos US$ 24,3 bilhões de 2009. É o pior resultado histórico para o mês de julho, mas, ainda mais grave, é um sinal de piora da política econômica.

, O Estado de S.Paulo

24 de agosto de 2010 | 00h00

Em termos relativos, a conta mais negativa foi a do turismo. Em julho, os viajantes brasileiros, privilegiados pelo real valorizado e pelo aumento da renda - favorecida, por sua vez, pela política fiscal relaxada, gastaram US$ 1,5 bilhão no exterior, três vezes mais do que os estrangeiros, que arcam com o dólar fraco, gastaram no País. O déficit na conta turismo foi recorde: US$ 1,1 bilhão.

O déficit das transações correntes tem sido financiado, crescentemente, por capitais de curto ou de médio prazos - em julho, US$ 2,6 bilhões foram aplicados em títulos de renda fixa, atraídos por juros superiores à media internacional, e outros US$ 3,2 bilhões, em ações, perfazendo US$ 5,8 bilhões. Já os investimentos diretos, aplicados por prazos longos, aumentaram de US$ 700 milhões, em junho, para US$ 2,6 bilhões, em julho.

O chefe do Departamento Econômico do BC, Altamir Lopes, rejeita a hipótese de crise cambial futura, em face dos vultosos ingressos de capital estrangeiro esperados para capitalizar a Petrobrás. Tampouco os bancos esperam alterações bruscas na taxa cambial, tanto que aumentaram as posições de venda de dólar.

Mas o País está pagando mais caro para manter a confiança nas contas cambiais, que depende do nível de reservas cambiais, de US$ 260 bilhões, em parte adquiridas com recursos provenientes da venda de títulos públicos a juros altos. E não se deve supor uma baixa dos juros básicos com a economia aquecida. Além disso, com o real valorizado, há estímulo às importações, desestímulo às exportações e queda do saldo comercial, que sempre foi um grande - e conveniente - suporte para as contas cambiais. A dívida externa também cresceu - US$ 10,2 bilhões em julho -, o que aumentará a vulnerabilidade do País em caso de desvalorização do real.

A política cambial parece perder qualidade e depender cada vez mais dos ingressos de curto prazo, além de criar a ilusão de que será sempre possível importar mais para consumo, dados os preços baixos no exterior.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.