Uma nova proposta de eletrificação para o mundo
Conteúdo Patrocinado

Uma nova proposta de eletrificação para o mundo

Bosch é parceira de sucesso no desenvolvimento do primeiro caminhão elétrico produzido no Brasil

Bosch, Estadão Blue Studio
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

28 de maio de 2021 | 08h30

A ligação da Bosch com a mobilidade é datada do século 19, quando a fabricante de sistemas para veículos, em 1896, desenvolveu a ignição do primeiro caminhão do mundo.

Mais de um século depois desse desenvolvimento, a Bosch se posiciona como uma das principais provedoras de soluções de mobilidade para a indústria automotiva no mundo.  Um bom exemplo que comprova esse posicionamento é o seu envolvimento no e-Consórcio da Volkswagen Caminhões e Ônibus (VWCO), que é uma proposta para fomentar a eletrificação de veículos comerciais no Brasil. Por meio desse sistema, a engenharia brasileira lidera uma proposta de eletrificação inédita.

Por meio do e-Consórcio, os sete sistemistas envolvidos participam com a VWCO do desenvolvimento do ecossistema do caminhão elétrico. E isso engloba projeto e desenvolvimento do produto, fornecimento de infraestrutura –  que envolve recarga de baterias e seu descarte –, bem como manutenção do veículo. Logo, esse modelo de negócio poderá perpetuar futuros lançamentos de caminhões e ônibus elétricos, além de servir de inspiração para demais indústrias do mundo.

Gerente de Novos Negócios em Eletromobilidade da Bosch, Alexandre Uchimura explica que no e-Consórcio a Bosch é fornecedora da unidade de comando, ou seja, a maioria dos sistemas de gerenciamento eletrônico específicos para o caminhão elétrico é desenvolvida pela marca. Trata-se de sistemas mais robustos, uma vez que exigem mais conexão com vários outros componentes do caminhão.

Esse foi o tema debatido no painel “Engenharia brasileira lidera uma nova proposta de eletrificação para o mundo”, realizado no primeiro dia do Summit Mobilidade Urbana 2021, que teve como convidado, além de Uchimura, Rodrigo de Oliveira Chaves, vice-presidente de Engenharia/CTO da VWCO.

Interatividade, conectividade e automação

Como provedora de soluções, a engenharia da Bosch tem o papel de identificar as reais necessidades da mobilidade e, dessa forma, desenvolvê-las e torná-las viáveis. Contudo, além da eletrificação veicular, a Bosch está à frente quando o assunto é conectividade e automação. Até mesmo porque essas três tecnologias interagem como um meio de facilitar a mobilidade.

Nesse sentido, a Bosch também está mirando a internet das coisas (IoT) ou interconexão digital. E esses desenvolvimentos não estão relacionados apenas aos sistemas veiculares, mas dentro de toda linha de produtos da sistemista.

Alexandre Uchimura acredita que a tecnologia vai ajudar a melhorar a qualidade de vida nos centros urbanos. Ele se baseia em dados da Organização das Nações Unidas (ONU), que mostram que 54% da população vive nas cidades e que, até 2050, esse número subirá para 60%.  “Não é só a eletrificação que reduzirá as emissões CO2. A conectividade dará mais informação para melhorar a qualidade de vida de quem circula pelo centro urbano”, diz, citando exemplos como receber informações para trajetos mais inteligentes e, assim, realizar um transporte mais eficiente.

“Seguindo essa tendência, a unidade de comando desenvolvida pela Bosch para o caminhão e-Delivery está sendo preparada para ser conectada. Ela grava informações em nuvem e, portanto, fornece mais dados para otimizar rotas e avisar sobre manutenções preditivas ou preventivas, entre outras coisas que permitirão melhorar a mobilidade urbana”, explica Uchimura.

“A tecnologia faz com que, dentro do veículo, haja sistemas que forneçam mais dados que são possíveis de monitorar e fazer uma melhor gestão, por meio da inteligência artificial. Hoje envolvemos a conectividade e a automação, e em breve vamos falar de outras tendências, como serviços personalizados e compartilhamentos”, explica o gerente de Novos Negócios da Bosch.

No entanto, para que a interatividade se torne uma realidade de fato, ou seja, para ser possível que sistemas de um automóvel interajam com semáforo, por exemplo, tem de haver infraestrutura. E o e-Consórcio tem papel fundamental nesse sentido, já que vai fornecer ao cliente a infraestrutura de abastecimento. Além disso, a Bosch é fornecedora de sensores que leem a faixa, bem como a placa nas vias. Assim, essas inovações permitem também que a infraestrutura evolua, tornando-se mais inteligente.

Desenvolvimento de célula de combustível

A Bosch trabalha no desenvolvimento da tecnologia de célula de combustível, ou solid oxid fuel cell (SOFC), e busca o etanol como uma das bases da matriz energética. A molécula do hidrogênio do etanol é utilizada para gerar energia.

A sistemista está investindo tanto em célula a combustível para veículos como em células estacionárias, e já planeja iniciar produção em larga escala de estações de energia distribuídas com base na tecnologia de células a combustível de óxido sólido. Para isso, a marca está investindo cerca de 1 bilhão de euros entre 2021 e 2024.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
No e-Consórcio, a Bosch é fornecedora da unidade de comando, ou seja, a maioria dos sistemas de gerenciamento eletrônico específicos para o caminhão elétrico é desenvolvida pela marca. Trata-se de sistemas mais robustos, uma vez que exigem mais conexão com vários outros componentes
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Alexandre Uchimura, Gerente de Novos Negócios em Eletromobilidade da Bosch

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.