Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Uma nova queda da confiança da indústria

A situação atual e as expectativas dos empresários da indústria terminaram mal em 2014. Era o esperado, mas a realidade ficou um pouco abaixo das projeções mais recentes, segundo os levantamentos da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

O Estado de S.Paulo

06 de janeiro de 2015 | 02h04

Após duas altas consecutivas, o Índice de Confiança da Indústria (ICI) voltou a cair (1,5% em dezembro), em relação a novembro, recuo que superou a prévia da sondagem, que apontava para -0,8%. A queda no Índice de Situação Atual (ISA) foi mais forte do que no Índice de Expectativa (IE) - o ISA e o IE compõem o ICI -, mostrando que o pessimismo com relação à situação futura é ligeiramente menor do que com a atual.

O ICI de dezembro registrou 84,3 pontos, com diminuição de 15,6 pontos ou 16,4% em relação a dezembro de 2013, com ajuste sazonal. No mês, o ISA caiu 2,2%, enquanto o IE diminuiu 0,9%, em 84,6 pontos.

Em todos os dados se constata que a média histórica recente, relativa aos últimos 60 meses, não foi alcançada em nenhum dos últimos 18 meses, desde julho de 2013. A média histórica do ICI é de 103,2 pontos, ou seja, 18,3% superior ao ICI registrado em dezembro.

A indústria padece com a falta de demanda interna, decorrente da competitividade insatisfatória em relação aos produtos importados, da baixa produtividade influenciada pelo custo da mão de obra e de obstáculos de ordem tributária, logística e, mais recentemente, creditícia. O nível de utilização da capacidade caiu 1,4 ponto porcentual entre novembro e dezembro, atingindo 81,3%, menor patamar desde agosto de 2009.

As indústrias sem acesso ao crédito subsidiado do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) pagam caro pelos empréstimos. E, quando evitam tomar os recursos, restringem seus negócios por falta de capital de giro ou destinado a investimento.

Os indicadores da FGV revelam que a proporção de empresas que pretendem aumentar a produção nos próximos três meses caiu de 35% para 32,4%, enquanto a daquelas que esperam reduzir a produção aumentou de 20,3% para 23%.

Os setores mais pressionados são os de bens de consumo não duráveis e construção civil, mas, em geral, "os indicadores de todos os segmentos continuam muito abaixo de 100", segundo a consultoria LCA.

O ambiente continua, em resumo, pouco favorável à indústria, ainda que ocorra alguma recuperação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.