Unasul quer ter política única contra especulação

Ministros da Fazenda e presidentes dos BCs vão se reunir nos dias 11 e 12 de agosto

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

29 de julho de 2011 | 00h00

Os países da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) decidiram fazer uma reunião em Buenos Aires nos dias 11 e 12 de agosto para definir os mecanismos conjuntos de proteção contra ataques especulativos. Os países da Unasul anunciaram que vão convidar também o México a se integrar no esforço de proteção mútua dos países da região.

Na reunião da Unasul realizada ontem, em Lima, logo depois da posse do presidente do Peru, Ollanta Humala, a presidente Dilma Rousseff conclamou todos os países que integram a Unasul a se unir num momento em que as nações da América do Sul passam por um bom momento econômico, mas se sentem ameaçadas pelas crises nos Estados Unidos e União Europeia.

Depois do encontro, o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, anunciou a reunião de Buenos Aires, da qual vão participar os ministros da Fazenda e os presidentes dos bancos centrais dos países integrantes da Unasul.

"Temos de nos defender do imenso, do fantástico, do extraordinário mar de liquidez que se dirige para as nossas economias buscando a rentabilidade que não tem nas suas economias", afirmou Dilma Rousseff.

Comércio. Para Dilma, a autoproteção não pode congelar os países. Deve permitir que eles continuem a crescer. A presidente fez um discurso de quase meia hora e não esperou o final da reunião da Unasul para regressar ao Brasil. Ela afirmou ainda: "Temos de enfrentar os desequilíbrios cambiais que dificultam a competitividade extrarregional de nossos bens e serviços".

Dilma pediu que os países da região se esforcem para "prosseguir trabalhando em favor de nossas trocas e investimentos recíprocos". "Devemos estabelecer modalidades de financiamento às exportações, com créditos recíprocos e aperfeiçoamentos para enfrentar barreiras pontuais, avançando na integração", discursou.

Para a presidente, com essa integração regional e a ampliação das trocas na região, os países da América do Sul poderão se proteger dos produtos asiáticos que estão "alagando nossos países e comprometendo nossos empregos". Ela lembrou que a capacidade ociosa, não só na Ásia, mas em todos os países, no que se refere a produtos industriais, "está despejando produtos baratos em nossa região". E salientou que "há um grande interesse em nossos mercados, porque promovemos a inclusão social de milhões de pessoas e isso não pode ser perdido por causa da crise de quem agiu com irresponsabilidade".

Dilma citou que a reunião de cúpula se realizava "sob um cenário de econômico mundial turbulento e preocupante" e as dificuldades econômicas enfrentadas pelos países desenvolvidos e a incapacidade política até agora demonstrada em resolver os impasses e as dificuldades, tornam-se uma "ameaça global".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.