finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Unctad recomenda expansão baseada em demanda interna

A agência das Nações Unidas dedicada ao comércio e desenvolvimento (Unctad) divulgou nesta quinta-feira, 12, um relatório com recomendações para fomentar e transformar a estrutura do crescimento mundial, defendendo ênfase em estímulos à demanda interna. Para o órgão, o modelo predominante de desenvolvimento baseado nas exportações "não é mais viável".

SABRINA VALLE, Agencia Estado

12 de setembro de 2013 | 14h33

O documento também sugere adoção de políticas anticíclicas para criação de empregos, com destaque para salários e setor público, e bancos centrais atentos não só ao controle da inflação, mas também à expansão do crédito e do financiamento, entre outros pontos.

Várias das recomendações têm similaridade com a atual política econômica brasileira. O relatório, apresentado simultaneamente a todos os países filiados à ONU, não faz detalhamento por nação, explicou o responsável pela divulgação no Brasil, o economista da Unicamp Antonio Carlos Macedo.

"Não posso falar especificamente sobre o Brasil", disse. "Mas, de fato, me chamou a atenção a similaridade entre várias propostas veiculadas neste relatório e certas características da política tal como têm sido implementadas no Brasil", disse, reforçando que o estudo não especifica países.

O relatório recomenda, por exemplo, que a criação de empregos combinada com o aumento do salário através da produtividade deve criar uma demanda doméstica, sem dependência da continuidade do crescimento das exportações. Também diz que o setor público pode impulsionar a demanda interna com aumento do emprego público e do investimento em empresas.

"A política econômica proposta pela Unctad inclui a expansão do investimento público e privado, num contexto em que políticas do Banco Central conseguem evitar a sobrevalorização cambial", disse Macedo.

Tudo o que sabemos sobre:
Unctadrecomendações

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.