União Brasil-Argentina visa ao crescimento, diz Amorim

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, disse que o acordo assinado hoje entre o Brasil e a Argentina tem como principal objetivo garantir o crescimento econômico através de uma abordagem conjunta nas negociações com os organismos multilaterais de financiamento, como o Banco Interamericano de Desenvolvimento (Bid) e FMI. "Esse é o elemento essencial nas metas de superávit primário", disse o ministro, sobre a proposta dos dois países para a adoção, pelo FMI, de critérios para um superávit flexível. Amorim disse que o Brasil e a Argentina vão propor que os investimentos direcionados para o desenvolvimento possam ser liberados com maior facilidade e tenham um tratamento fiscal diferenciado. Outro aspecto citado pelo ministro é a proposta para que os procedimentos de licitação dos organismos multilaterais permitam que os dois países possam dar tratamento preferencial aos investimentos nacionais e regionais. Amorim disse que a reunião entre os presidentes Luiz Inácio da Silva e Néstor Kirchner foi "histórica". "Estamos reforçando nossa aliança estratégica com a consciência de que a relação entre o Brasil e a Argentina pode significar para a integração da América do Sul o que a relação entre a França e a Alemanha representou para a integração européia", afirmou. O ministro afirmou que houve, por parte da Argentina, "um reconhecimento da atitude que Lula tem tido ao apoiar o país vizinho". Segundo Amorim, o presidente Kirchner chamou a atitude do presidente brasileiro de "histórica". Além do aspecto econômico, Brasil e Argentina assinaram ainda uma série de compromissos políticos, entre eles compartilhar consulados para cuidar das comunidades brasileira e argentina em alguns países. Ele citou os consulados de Hamburgo e de Boston, onde a sede dessas instituições diplomáticas serão responsáveis tanto por brasileiros quanto por argentinos. Amorim informou também que haverá troca de diplomatas entre os dois países. "Isso é o espelho da confiança recíproca", afirmou o ministro. O chanceler informou ainda que foi criado o "Dia da Amizade Brasil-Argentina", que será comemorado no dia 30 de novembro. Também será criado um prêmio para a produção artística e cultural que, segundo Amorim, representará o "sentimento de unidade entre os dois países."

Agencia Estado,

16 Março 2004 | 14h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.