União Europeia confirma que Grécia não pediu ajuda

O presidente da União Europeia (UE), Herman Van Rompuy, disse hoje aos jornalistas que cobrem o encontro de cúpula que a "Grécia não pediu qualquer suporte financeiro". O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, que também participou do encontro de cúpula em Bruxelas, na Bélgica, disse que os líderes da União Europeia não discutiram um socorro financeiro para a Grécia porque o país não pediu ajuda do grupo.

SUZI KATZUMATA, Agencia Estado

11 de fevereiro de 2010 | 16h11

Segundo ele, as decisões mais formais sobre questões financeiras normalmente são deixadas para os ministros de Finanças da UE. Os ministros de Finanças europeus vão se reunir na segunda e na terça-feira, dentro da agenda de encontros regulares do grupo. Vários diplomatas da UE disseram que planos adicionais de contingência para a Grécia serão discutidos no encontro.

"Eu não quero especular sobre qualquer cenário. Eu não acho que isso nos leve a qualquer lugar e eu penso que pode ser negativo", disse Barroso, quando questionado sobre o que os governos da zona do euro (que reúne os 16 países que adotam o euro como moeda) devem fazer no caso de uma piora da crise da dívida da Grécia.

O encontro de líderes da UE originalmente tinha como objetivo discutir questões econômicas de prazo mais longo, incluindo uma coordenação mais estreita entre os governos da região. Van Rompy disse que a atual crise na zona do euro mostra a necessidade de uma cooperação mais estreita. Mas ele reconheceu que a crise da Grécia tinha sequestrado a maior parte da agenda. "Teria sido agradável se não tivéssemos de gastar tanto tempo sobre aquela questão urgente", disse Van Rompuy.

Os mercados de ações e o euro subiram mais cedo com base nos informes sobre um acordo da UE para dar suporte à Grécia. Mas as ações e a moeda caíram rapidamente mais tarde, quando os líderes europeus anunciaram apenas um compromisso político para ajudar o país, sem oferecer uma firme ajuda financeira.

"Os países da zona do euro tentaram colocar um salva vidas sob os problemas da dívida da Grécia sem especificar como pode ser esse salva vidas", disse Carsten Brzeski, do ING Financial Markets. "Em termos de uma ação europeia explícita, nada foi decidido, nada foi descartado."

Van Rompuy disse que não estava acompanhando os movimentos dos mercados financeiros e, portanto, não tinha nenhum comentário a oferecer sobre como eles responderam ao comunicado dos líderes da UE. Ele acrescentou que era muito cedo para julgar os méritos do "desejo político" da zona do euro em dar suporte à Grécia. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.