União Europeia descarta calote da Grécia

Possibilidades do país conseguir ajuda são maiores dentro do que fora da zona do euro, diz comissário

Marcílio Souza, da Agência Estado, Agencia Estado

29 Janeiro 2010 | 11h05

Não há risco de a Grécia dar default (calote) de sua dívida e "não existe chance" de que o país saia da zona do euro (grupo de 16 países que adotam o euro como moeda), disse hoje o comissário da União Europeia para assuntos monetários, Joaquin Almunia. "Na zona do euro, não existe default", disse em entrevista, durante intervalo do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça. "As possibilidades de (a Grécia) angariar apoio são muito maiores dentro do que fora da zona do euro."

Almunia acrescentou que não há um "plano B" para a economia grega, mas "um plano A está sobre a mesa". "Desequilíbrios fiscais são discutidos todo mês", disse ele. "No mês passado, nós discutimos desequilíbrios macroeconômicos e como superar isso na união monetária, onde ajustes não podem ser feitos por meio de desvalorização."

Numa união monetária, afirmou, os problemas de um país são uma "preocupação comum" para todos os membros. Ele acrescentou que a UE não pode deixar que nenhum de seus integrantes mergulhe na crise sem que isso afete os outros membros. "Estamos cooperando com os que têm os problemas mais sérios", disse Almunia. "Estamos todos no mesmo barco". Ontem, autoridades da França e da Alemanha negaram que estariam estudando um plano para socorrer a Grécia.

A Grécia anunciou no fim do ano passado que seu déficit orçamentário atingiria 12,7% do Produto Interno Bruto (PIB), o quádruplo do limite de 3% da UE. Ao mesmo tempo, o país enfrenta um endividamento público crescente que deverá ficar em mais do que o dobro do PIB este ano. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
calote, Grécia, União Europeia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.