União Européia poderá recorrer da decisão do açúcar

"É muito provável" que Comissão Européia apresente um recurso contestando a decisão da Organização Mundial do Comércio (OMC) que deu parecer favorável ao Brasil, Austrália e Tailândia contra os subsídios à exportação de açúcar do bloco europeu. Segundo fontes diplomáticas, o veredicto sigiloso da OMC, remetido hoje às partes envolvidas no litígio, confirma a decisão preliminar do organismo multilateral divulgada em agosto, que era favorável ao Brasil. "Recebemos a decisão da OMC e vamos analisá-la cuidadosamente para tomarmos uma decisão se recorreremos ou não", disse à Agência Estado o porta-voz da comissão européia, Gregor Kreuzhuber. Segundo ele, a UE tem alertado ao longo da disputa que Brasil, Austrália e Tailândia estão questionando os textos e compromissos negociados e acertados durante a Rodada do Uruguai da OMC. O porta-voz alertou que uma decisão contrária a Bruxelas poderá afetar as mudanças em curso na política para açúcar no bloco europeu. "A UE, paralelamente às negociações multilaterais da OMC, tomou a iniciativa de reformar profundamente o seu regime para o açúcar", disse. Essas reformas, segundo ele, deverão cortar substancialmente os subsídios para as exportações, reduzir a intervenção na produção e preço interno da commodity na UE. "Mas caso apresentemos a recurso e a decisão da OMC for mantida no final, poderemos ter que ajustar a nossa reforma pois o aperto sobre o nosso setor de açúcar poderia se tornar excessivo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.